Economia

Custo dos produtos da cesta básica diminui mais 1,31 por cento

Uma nova redução de preços, de 1,31 por cento, foi verificada na comercialização de produtos da cesta básica nas principais redes de supermercados e mercados informais da capital angolana, da primeira para a segunda semana do mês em curso, influenciada, essencialmente, pelo comportamento do custo do peixe carapau, da fuba de bombó e da massa esparguete.

13/06/2022  Última atualização 05H40
© Fotografia por: DR

Em termos gerais, a variação de preços dos produtos da cesta básica no mercado informal e estabelecimentos comerciais assinalou uma redução de 0,60 por cento, reportando-se, na principal rede comercial (estabelecimentos comerciais), maiores variações de preços em produtos como sal iodizado, com 5,32%, sabão, com 2,11%, e coxa de frango, com 1,29%.

Na rede secundária (mercado informal), as maiores variações de preço ocorreram nos mercados Kifica (3,16 por cento), Asa Branca (1,71%) e Kwanzas (1,66%). Os produtos que contribuíram para a redução de preços nos estabelecimentos co-merciais foram o peixe carapau, com 11,28 por cento, a fuba de bombó, com 8,16%, e a massa esparguete, com 5,00%. As maiores variações de preço no período em referência foram registadas na rede de supermercados Intermarket, com 5,61 por cento, Fresmart (2,97%) e Casa dos Frescos (2,43%). Por outro lado, observou-se uma redução de preços no Kero, na ordem de 11,65%,  Kibabo (4,60%) e Martal (3,26%).

Enquanto isso, nos mercados informais houve aceleração de preços nos produtos da cesta básica, de 0,25 por cento, e as maiores variações foram verificadas nos mercados do Kifica (3,16%), Asa Branca (1,71%) e Kwanzas (1,66%). Os mercados Congolenses, com 2,59 por cento, Kikolo, com 1,71%, e Correios, com 1,56%, são os locais em que o custo teve diminuição. Em linhas gerais, os produtos que mais contribuíram para esta subida foram o tomate, com 5,15%, o arroz corrente, com 3,48%, e o pão, com 2,83 por cento.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia