Regiões

Cuanza-Sul: Libolo comemora hoje 122 anos

Kindala Manuel

Sob fortes medidas de prevenção contra a Covid-19, o município de Libolo (Cuanza Sul) festeja hoje 122 anos de existência. A região viu passar a sua gestão de domínio militar para a administração civil a 29 de Junho de 1899 e foi elevada à categoria de município (conselho) apenas a 31 de Janeiro de 1900.

29/06/2021  Última atualização 05H30
Histórica localidade do Libolo, palco de várias batalhas, celebra hoje mais um aniversário © Fotografia por: Kindala Manuel | Edições Novembro
A Fortaleza, situada no centro da comuna de Calulo, sede do município do Libolo, foi construída pelos conquistadores portugueses no século XIX (1893 a 1894) e em 2017 passou a monumento histórico nacional.


O local servia para auxiliar o avanço das tropas portuguesas durante as guerras de resistência impostas pelos nativos da região que lutavam contra a ocupação e comércio de escravos.


A região do Libolo testemunhou  históricas batalhas de resistência dos nativos contra o domínio e ocupação pelos portugueses. As guerras tiveram lugar na zona da "Pedra Escrita", bairro Dala-Uso, entre 1917 e 1932.


Hoje é um município potencialmente agrícola, com  aposta, em grande escala, na produção de hortícolas, citrinos e cereais. Na sua sede existem pequenas indústrias transformadoras, principalmente moageiras, que têm ajudado na transformação do milho e farinha de mandioca.


Nesta altura, o município precisa de mais investimento no sector da indústria transformadora, visando o processamento da produção dos pequenos agricultores e cooperativas. Por falta de escoamento e compradores, muitos produtos têm se deteriorado.


No período colonial e nos primeiros anos da Independência  do país, Lobolo foi uma das regiões de grande produção de café e óleo de palma, chegando a possuir cerca de 320 grandes fazendas que, devido à guerra que o país viveu, a maioria ficou abandonada e algumas destruídas pelo fogo.
 
Festejos

O programa dos festejos   que começa sempre no primeiro dia de Junho, abrangem actividades religiosas realizadas pela igreja Católica.


No dia 13 deste aconteceu  a consagração de Santo António, considerado padroeiro da vila, acto que terminou com uma missa de acção de graças.


O programa contempla ainda actividades culturais, desportivas, recreativas, feira da agricultura e  culmina no dia 29 com o habitual Festival Internacional de Música de Calulo (Festicalulo), que já vai na sua vigésima edição. 


O chefe de sessão de Promoção, Turismo e Cultura do Libolo, Contreiras Ca-nhanga Muhongo, disse que o município comemora neste mês de Junho duas festas distintas. Conforme explicou, o dia 13 de Junho é dedicado às Festas de Santo António de Pádua, da Igreja Católica, Padroeiro do Libolo. Segue-se a peregrinação à capela de Nossa Senhora de Fátima de Calulo.

 Segundo o responsável, devido à Covid-19, a actividade que anteriormente  congregava mais de 5000 mil pessoas, este ano realizou-se no pátio defronte à Fortaleza de Calulo com apenas 1500 pessoas. Estiveram presentes o administrador municipal, membros da administração, fiéis e munícipes.

 O pároco da Igreja Católica do Libolo, Osvaldo Mariano dos Santos, destacou Santo António como uma figura importante no seio da Igreja, por ter dedicado a sua vida ao evangelho de Cristo e à conversão dos pecadores do seu tempo, deixando seu legado aos munícipes do Libolo.

 O pároco apelou aos fiéis para seguirem o seu exemplo, principalmente pregando o amor ao próximo.
O administrador Municipal do Libolo, Rui Feliciano Miguel, destacou, igualmente, o  amor ao próximo do padroeiro de Calulo na missão de evangelização.


Celebrar com prevenção


No quadro dos festejos deste ano, a directora municipal da Saúde do município do Libolo, Ângela Maurício, disse ao Jornal de Angola que a celebração está a obedecer um programa restrito devido à Covid-19 que assola o mundo.


Disse que os munícipes estão sensibilizados sobre as medidas de prevenção, através do uso obrigatório de máscara, lavagem das mãos com água e sabão ou utilização de álcool em gel e distanciamento social.


O município, disse, registou, até ao momento, 52 casos positivos, dos quais, 51 recuperados e um óbito. Entre 24 de Abril e 18 deste mês realizou-se a primeira e segunda dose de vacinação aos populares enquadrados nos grupos prioritários.      

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões