Política

Cuanza-Norte vai contar com circular rodoviária e centralidade

Adelina Inácio|

Jornalista

O presidente do MPLA anunciou, na quinta-feira (11), a construção e reabilitação de estradas para dinamizar o tráfego da província do Cuanza-Norte a Malanje, conferindo maior mobilidade às populações, que vai contar, também, com uma centralidade com duas mil casas.

12/08/2022  Última atualização 06H10
Presidente João Lourenço anuncia a electrificação de todos os municípios do Cuanza-Norte © Fotografia por: Contreiras Pipa| Edições Novembro

As obras das infra-estruturas rodoviárias, algumas já em curso, têm como ponto alto o estabelecimento de uma circular para retirar do centro da cidade a Estrada Nacional. 

João Lourenço falava a milhares de apoiantes, durante o acto político de massas que orientou na "Feira de Ndalatando", tendo mencionado, a propósito, as cidades capitais como Ndalatando, Malanje, Sumbe e Benguela, que são atravessadas por estradas nacionais. "Estas são as cidades que mais sofrem pelo facto da camionagem passar, todos os dias, pelas estradas nacionais que as atravessam", realçou.

O anúncio provocou assobios da parte da população que se vestiu com as cores do MPLA para ouvir a mensagem, dividida, a meio, pela certeza de consolidação das execuções, e de esperança, pelo anúncio de novos projectos. O tempo discursivo parecia parar, deu lugar a um curto diálogo. Os apoiantes, à medida que aplaudiam, diziam ao líder dos camaradas que não podiam ouvir coisa melhor. Pois, a melhoria das estradas, além de facilitar a circulação, vai reduzir os acidentes.

A corresponder, foi confirmada a finalização das obras do Hospital Geral do Cuanza-Norte, que vai assistir os sinistrados, vítimas dos referidos acidentes, mas sobretudo para prestar cuidados "ao povo, que tem todo o direito de ser bem tratado”, realçou o candidato do MPLA.

O presidente João Lourenço sublinhou que "cuidar bem do povo é tarefa deste Executivo, e estamos a criar as condições para isso”. Assim, além do Hospital Geral, vão ser construídos centros de saúde. "Este povo merece a nossa atenção e carinho”, fez questão de dizer, acrescentando que, na ordem das obrigações sociais, a população do Dondo já beneficia de abastecimento de água, um projecto que vai seguir o curso dos trabalhos até cobrir a parte alta da cidade. A nova realidade é bastante motivadora e enche de orgulho a todos, pois "os anos de aflição ficaram para o passado, agora, quando se abre a torneira, temos água a jorrar, e não ar”.

Na senda de execução de projectos, Cuanza-Norte vai ganhar uma centralidade como as demais províncias. "Vamos construir uma centralidade com capacidade de 2000 casas. Os jovens vão beneficiar de habitação condigna”, afirmou o líder do MPLA. Foi anunciada, também, a construção do Instituto Superior Politécnico.

 

Electrificação das sedes municipais

João Lourenço garantiu a electrificação das sedes municipais da Banga, Bolongongo, Ngonguembo e Quiculungo, com previsão de conclusão para Dezembro deste ano. "Em Dezembro deste ano, estes municípios vão estar completamente electrificados", adiantou.

Está em perspectiva a conclusão das obras da barragem hidroeléctrica de Caculo Cabaça. Esta barragem, disse, vai produzir 2.100 MWT de energia. "Estimamos que com a entrada em funcionamento da barragem de Caculo Cabaça, o país vai alcançar o pico das necessidades de energia para os próximos anos”, afirmou o candidato do MPLA.

A energia produzida em Malanje e no Cuanza-Norte, não vai servir apenas para as populações das duas províncias, mas para todo o país. Esta energia, acrescentou, vai chegar ao Cunene, Cuando Cubango, Moxico, Luanda Norte e posteriormente a Cabinda.

"Vamos arranjar uma forma de colocar a energia produzida aqui a servir, também, a província de Cabinda", prometeu. Sem avançar uma data exacta, João Lourenço garantiu, ainda, a construção, em breve, de um pavilhão desportivo multiusos da cidade de Ndalatando, para que todas as modalidades possam ser praticadas. Referiu-se ao Basquetebol, Voleibol, Futebol de Salão, entre outras. Avançou que a intenção do MPLA, caso vença as eleições, é a construção de um estádio de futebol.

Em relação ao abastecimento de água  potável, o presidente do MPLA fez saber que está terminada a primeira fase do sistema de abastecimento de água à cidade do Dondo, tendo mencionado o início das obras do novo sistema de captação, a Estação de Tratamento de Água, do rio Lucala à cidade de Ndalatando, com conclusão prevista para 2024.

 

A execução das empreitadas rodoviárias 

João Lourenço assumiu o compromisso de pôr a funcionar, no segundo mandato, a ligação entre Cuanza-Norte e a vizinha província de Malanje, pela via Luinga. "É uma alternativa à estrada nacional que liga Cuanza-Norte a Malanje. Por ser, uma estrada importante, vamos executar esta obra", garantiu.

A Cidade de Ndalatando, em particular, e a província do Cuanza-Norte, em geral, disse, constitui um importante nó rodoviário através do qual se podem alcançar outros pontos do país, sobretudo ao norte, centro e leste e, por isso, está em execução a construção dos troços de estradas que ligam Cambondo ao Quilombo dos Dembos, bem como os troços de estrada que ligam Golungo Alto a Ndalatando e Rio Cuxila/Lucala.

Acrescentou que está para breve a conclusão da estrada do Alto Dondo/Capanda e São Pedro da Quilemba/Alto Dondo. Foi reabilitado o troço que vai do Alto Dondo ao desvio da Munenga, Maria Teresa/Dondo.

O candidato MPLA, João Lourenço, disse que está a ser executada a política de revitalização e protecção da encosta e realojamento das populações desabrigadas pelas chuvas torrenciais que ocorreram recentemente em Ndalatando.

Anunciou, assim, a reabilitação de várias pontes, tendo destacado a ponte sobre o rio Zenza. Sem adiantar datas, João Lourenço disse que se prevê a construção da estrada de Samba Cajú, Banga até Bolongongo.

"São projectos cujas obras iniciaram há muitos anos, e ficaram paralisadas por razões de várias ordem. "Decidimos mobilizar recursos para intervir nestas estradas importantes, para a circulação quer no interior da província, quer para ligar as províncias vizinhas", referiu. A reabilitação do troço que liga a estrada nacional à localidade histórica de Massangano, por ser um ponto de atracção turística, também vai entrar em obras. Os turistas, acrescentou, vão passar a ter acesso mais fácil a este ponto importante.

João Lourenço garantiu uma intervenção no troço ferroviário que liga o Zenza (de Cuanza-Norte a Cacuso (Malanje). Reforçou que a ideia é beneficiar as populações das duas províncias e tornar mais fluída a circulação dos comboios de Luanda a Malanje, afastando os constrangimentos.

"Neste troço, por má conservação da linha, tem havido o descaramento do comboio, sobretudo os de carga, e não podemos deixar que composições continuem a descarrilar neste troço",  disse o presidente do MPLA.

O candidato a Presente da República, João Lourenço, falou, também, da construção do terminal rodoviário de passageiros na cidade de Ndalatando, acção que vai criar melhor funcionamento nas empresas, quer públicas quer privadas, de transportes rodoviários, urbanos, interprovincial e municipal. "É um projecto que está praticamente concluído, e,  dentro de semanas ou de um mês, vamos entregar às populações", garantiu.

 

Admissões na Saúde

João Lourenço lembrou que a província do Cuanza-Norte, ao longo do seu mandato, beneficiou da admissão de cerca de 900 profissionais de saúde, entre médicos, enfermeiros e técnicos especializados. Assim, prometeu, para este ano, a admissão de mais 462 profissionais de saúde.

"O Executivo decidiu, também, construir um novo Hospital de referência, com todas as valências, para Ndalatando, com capacidade de 200 camas. "A obra está em curso, e ficará concluída nos próximos dois anos", garantiu João Lourenço.

O Dondo, indicou, tem em construção um Hospital Municipal, que está a ser executado com recursos do PIIM, mas que vai ser equipado pelo Executivo. A intenção é assegurar que o referido hospital tenha equipamentos de alta qualidade para melhor servir os cidadãos daquele município e de outros pontos do país.

O presidente do MPLA fez saber que o Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM) executou, até ao momento, vários centros de saúde nos municípios de forma a levar a saúde às populações.

Para evitar o êxodo das populações para a capital do país, o candidato do MPLA anunciou a construção, no próximo mandato, de um Instituto Superior Politécnico de Ndalatando para a juventude. "Os novos jovens não terão necessidade de se deslocar para Luanda, ou para outros pontos do país, para fazerem a formação superior, sobretudo nos cursos técnicos", destacou João Lourenço.

 

Ofertas em sinal  de admiração e respeito

Antes de começar o seu discurso, o candidato do MPLA recebeu do povo do Cuanza-Norte duas obras de arte, a réplica da Igreja de Camabatela, um dos mais "belos” edifícios arquitectónicos de Angola, e uma peça de arte esculpida em pau-preto, que representa a força da mulher desta província.

O candidato começou e terminou a sua intervenção com o apelo ao voto no dia 24 no MPLA e, à semelhança de outras províncias, apresentou a candidata ao cargo de Vice-Presidente da República, Esperança Costa.

João Lourenço enalteceu as qualidades mulher que o vai acompanhar no próximo mandato, caso vença as eleições, sublinhando ser um "orgulho ter a militante Esperança Costa como Vice-Presidente da República e um bom exemplo que o MPLA dá ao indicar uma mulher ao cargo".

O líder dos camaradas disse que a candidata a Vice-Presidente da República "é competente e capaz de provar que está à altura dos desafios do MPLA".

  Compromisso com a paz e com a estabilidade 

O presidente João Lourenço afirmou que o MPLA vai respeitar o resultado das Eleições Gerais de 24 deste mês, como forma de manter a paz e a estabilidade no país, avançando que todas as forças políticas concorrentes devem estar comprometidas em respeitar a Constituição e a Lei Eleitoral.

João Lourenço sublinhou que a paz e a estabilidade não devem apenas ser valorizadas em período de campanha e realização de eleições. "O MPLA entende que a estabilidade não deve ser exigida apenas nesses períodos, uma vez que a paz e a estabilidade são acções pela qual devemos lutar permanentemente", frisou, acrescentando que "havendo ou não eleições, devemos trabalhar pela manutenção e aprofundamento da paz e da estabilidade no país".

Referiu, em jeito de reforço, que a paz e a estabilidade são bens que não têm que estar necessariamente colocados apenas para a realização de eleições. "O MPLA está comprometido com a paz e com a estabilidade. Por isso, espera que seja um compromisso de todos os partidos, particularmente os concorrentes às Eleições Gerais", frisou João Lourenço.

"Não precisamos de paz e estabilidade apenas para as eleições, e nos esquecermos da sua importância, durante os próximos cinco anos. Ela (paz) deve existir permanentemente com eleições ou fora do período de eleições", enfatizou o líder do MPLA.

Os partidos políticos, disse, pelo simples facto de participarem em eleições, significa que assumem o compromisso da defesa da paz, da estabilidade e, sobretudo, "o compromisso da defesa da Constituição e da Lei". Acrescentou, a propósito, que as forças políticas concorrentes devem assumir o compromisso de aceitar os resultados eleitorais, uma vez anunciados pela entidade competente, a CNE.

Para João Lourenço, não há necessidade de inventar-se outros mecanismos para obrigar os partidos políticos e os cidadãos a lutarem pela paz e pela estabilidade. O regime democrático e de direito tem mecanismos suficientes para garantir o respeito à paz e à estabilidade antes, durante e após às eleições, realçou o candidato do MPLA.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política