Sociedade

Criminalidade, contrabando e tráfico ilícito estiveram em análise

Os trabalhos do segundo dia da 89ª Sessão da Assembleia Geral da Interpol, realizados quarta-feira (24), foram marcados pela aprovação dos Relatórios financeiros da Organização, apreciação da Estratégia da Interpol para o período de 2022/2025, assim como da situação da criminalidade organizada transnacional.

25/11/2021  Última atualização 09H00
© Fotografia por: DR
Durante a sessão foi discutida a parceria da Organização Mundial das Alfândegas (OMA) com a Interpol, no que concerne ao combate ao tráfico ilegal de medicamentos, armas e munições, ao longo das fronteiras de vários países. De acordo com os dados apresentados, a parceria tem sido profícua e apresenta resultados satisfatórios, em relação à descoberta de produtos contrafeitos, assim como na apreensão de material utilizado para suportar as operações criminosas.

Ficou ainda patente que a cooperação e partilha permanente de informações entre a Interpol e a OMA é indispensável, havendo a necessidade de se realizarem, cada vez mais, operações conjuntas, para enfraquecer a capacidade de transportação, importação e exportação, por parte de organiza-

ções criminosas, de material ilícito e que suporta a actividade do crime transnacional e organizado.
O uso que as Alfândegas fazem do sistema I-24/7, da Interpol, nos últimos dias, evidenciou-se como sendo crucial na realização das operações Thunders, Stop e Neptunium, que re-sultaram na apreensão de vários produtos ilícitos, tais como, medicamentos, equipamentos médicos e vacinas contrafeitas.

A conferência recomenda, para maior sucesso nas referidas operações, a realização de várias acções de formação conjuntas entre as Alfândegas e os agentes da Polícia Criminal, assim como acções de mútuo apoio entre a Interpol e a OMA.

A delegação angolana, presidida pelo ministro do Interior, Eugénio César Laborinho, integrada pelo comandante geral da Polícia Nacional, o director geral do SIC, directo-res do GIC-MININT, GCII-MININT e director da Inter-
pol-Angola, continua a estabelecer encontros paralelos com Delegações de outros países, à margem da Assembleia Geral da Interpol, com o intuito de abordarem assuntos inerentes à cooperação bilateral, no domínio da ordem e segurança pública.

A 89ª Assembleia Geral da Interpol teve início terça-feira última, com os delegados votantes a admitirem os Estados Federais da Micronésia, como 195º País - Membro da Organização.

O evento reúne mais de 400 chefes de Polícia, ministros e altos funcionários da Polícia, de cerca de 160 países, com o objectivo de identificarem áreas nas quais a INTERPOL pode reforçar a arquitectura de segurança global.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade