Sociedade

covid-19: Cabinda vai contar com mais um Hospital de Campanha

A província de Cabinda vai ser reforçada com mais um Hospital de Campanha, com capacidade de 100 camas para o tratamento de pacientes graves da Covid-19, anunciou, ontem, o secretário de Estado para a Área Hospitalar.

17/07/2020  Última atualização 09H01
DR


Leonardo Inocêncio, que avaliou o andamento dos trabalhos de montagem do primeiro Hospital de Campanha no Chiazi, arredores da cidade de Cabinda, afirmou que a nova unidade hospitalar que será instalada em breve, surge da necessidade de tornar a região mais independente no tratamento de casos da Covid-19. Os trabalhos de montagem da segunda unidade hospitalar de campanha, explicou, está dependente da remoção de sucatas de autocarros que se encontram no terreno escolhido para o efeito, no bairro Lombo-Lombo. “Vai ser montado nesse local um hospital de campanha para o tratamento de casos moderados e graves, cujas estruturas já se encontram em montagem em Luanda”, disse.

Leonardo Inocêncio afirmou que as tendas são estruturas feitas com materiais flexíveis, com a durabilidade de aproximadamente 15 anos e, depois da pandemia da Covid-19, vão ser transformadas num centro materno-infantil para aumentar a capacidade de resposta em termos de assistência médica às crianças na província. O secretário de Estado para a Área Hospitalar procedeu a entrega de dois mil testes de diagnóstico rápido da Covid-19.

Casos positivos

O coordenador da Comissão Provincial de Prevenção e Combate à Covid-19 em Cabinda apelou a população a manter-se calma e a denunciar todos os cidadãos que tiveram contacto com os dois casos positivos provenientes de Luanda.

Miguel Oliveira, que falava à imprensa, sobre o ponto de situação da Covid-19 em Cabinda, após o anúncio oficial feito quarta-feira, 15, pela ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, do registo de dois casos positivos “importados” de Luanda, afirmou que os dois indivíduos são estivadores contratados por uma empresa pesqueira e chegaram à Cabinda, no passado dia 9 de Junho, a bordo de uma aeronave fretada, contendo toneladas de peixe para comercialização e que foram já identificados 32 cidadãos, que mantiveram contactos directos com os tais indivíduos.

A situação epidemiológica a província, referiu, começa a dar sinais de preocupação, por isso, as equipas de resposta rápida estão no terreno para identificar todos os cidadãos que eventualmente terão tido contacto com os mesmos, para serem imediatamente encaminhados para os centros de quarentena. “Iremos fazer também testagem através da Biologia Molecular e todos aqueles que testarem positivo, seguiremos igualmente os seus contactos”, reiterou.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade