Economia

Cotação do Brent prossegue subida

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em Março terminou hoje no mercado de futuros de Londres em alta de 0,90%, para os 88,35 dólares.

19/01/2022  Última atualização 23H49
© Fotografia por: DR

O crude do Mar do Norte, de referência na Europa, concluiu a sessão no International Exchange Futures a cotar 79 cêntimos acima dos 87,56 dólares com que fechou as transacções na terça-feira.

A cotação manteve a tendência altista dos últimos dias, a caminho do limiar simbólico dos 90 dólares, o que está a ser atribuído ao receio de a oferta global vir a ficar demasiado abaixo da procura manifestada.

Às tensões geopolíticas no Médio Oriente e na Ucrânia, que têm acicatado as negociações no mercado petrolífero nos últimos dias, somou-se hoje a interrupção do funcionamento do oleoduto que liga Iraque e Turquia.

"Atrás deste aumento vertiginoso do preço do petróleo estão vários factores”, disse Frédéric Mertens, professor e coordenador da formação em relações internacionais da Universidade Europeia de Valência à Efe.

"O primeiro factor é o da existência de interrupções na produção de petróleo em vários países, devido a tensões políticas ou conflito armado, como a Líbia.

Estas interrupções de produção provocam cortes nos fluxos de abastecimento de petróleo aos países industrializados”, disse.

"O segundo factor é o das tensões geopolíticas, por exemplo, o caso dos Emirados (Árabes Unidos), que foram atacados pelos iemenitas”, acrescentou este académico.

Frédéric Mertens destacou, contudo, que a variante Ómicron do novo coronavirus, "ao contrário de outras, não paralisou a economia” a nível mundial, pelo que "a procura energética, baseada fundamentalmente no petróleo, aumentou”.

Ao comentar algumas previsões que apontam para um preço do barril situado entre 96 e 105 dólares, Mertens relativizou: "Isso tem de ser posto no contexto da dependência dos países industrializados em relação aos países produtores de petróleo e das dificuldades da OPEP em aumentar a produção”.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia