Cultura

Costumes dos povos angolanos são revistos em documentários

Manuel Albano

Jornalista

Os diferentes traços culturais dos povos de Angola, dentro do contexto etnográfico, vão ser exibidos em documentários, intitulados “Imiji Ya Ngola”, nos dias 25, 26 e 27 deste mês, a partir das 17h00, no Centro Cultural Brasil - Angola (CCBA), em Luanda.

10/05/2022  Última atualização 08H50
Cultura dos cokwe é um dos focos do projecto que quer resgatar a herança cultural nacional e incentivar também a investigação © Fotografia por: DR

A primeira edição de "Imiji Ya Ngola” (denominação cokwe que em português significa "Raízes de Angola”) inclui a projecção de vários documentários sobre a história e antropologias africanas, por meio de amostras de trabalhos jornalísticos e debates sobre os temas.

A iniciativa da MM Produções, em parceria com a Goethe-Institut Angola, começa com a exibição, no próximo dia 25, pelas 17h00,  no CCBA, do documentário "Os Reis do Leste”, em alusão as celebrações do Dia de África.

O documentário, do género jornalístico, com a duração de 45 minutos, retrata a trajectória dos povos cokwe, lutchaze e luvale, habitantes do Moxico, baseado nos depoimentos de algumas das autoridades tradicionais da região.

No filme, os intervenientes defendem teses sobre as origens, costumes, crenças e protagonismos na hegemonia sociocultural destes povos, como formas de marcações das fronteiras territoriais e de ascensão na escala social.

No dia seguinte, 26, é exibido, no mesmo espaço, o documentário "Ngudi a Nkama, a rainha dos Bassuku”, de 40 minutos, sobre a migração de habitantes  do antigo Império do Congo às terras dos Lundas, em particular na Lunda-Norte e na região de Loremo, que ficou marcada por guerras e conquistas entre tribos.

Nesta produção, com um especial destaque, as atenções recaem para o ritual de entronização da jovem rainha: a preparação da casa real, os dotes oferecidos pelos membros da corte, as danças ritualísticas e os mistérios em torno da preparação para assumir o trono.

No dia 27, é exibido, a mesma hora e local, "Efico: Ritual de iniciação feminino” sobre os múltiplos costumes das populações do Sul de Angola, em especial o ritual de iniciação das raparigas, dos 14 aos 18 anos, que as prepara para a vida adulta.

O foco deste documentário, de 50 minutos, são as meninas da localidades de Humbe, famílias que dividem a fronteira entre as províncias do Cunene e Huíla, que ficam confinadas por duas semanas numa casa típica da região, denominada Mufiko, para aprenderem todo legado deste ritual.

Durante a exibição dos filmes, a organização vai realizar, após as sessões, alguns debates em torno dos assuntos representados nas várias produções.

 

Valorização

O mentor e produtor do projecto audiovisual, Miguel Manuel, referiu, ontem, ao Jornal de Angola,  que a ideia é realizar, anualmente, uma conferência sobre a herança e o património cultural nacional, em particular, e o africano, no geral, seguida de uma análise dos costumes e das marcas da ancestralidade dos povos africanos.

Para o produtor, é importante que se comece apostar mais em trabalhos capazes de ajudar a preservar, documentalmente, a herança cultural dos povos angolanos, como forma de incentivar a investigação e estudos sobre o passado.

Os documentários, referiu, devem destacar, sobretudo, o quotidiano das populações, as obras de arte e outras tradições de importância histórica e cultural, para determinadas regiões.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura