Entrevista

Coreia do Sul ambiciona maximização da cooperação económica com Angola

Geraldo Quiala

Jornalista

Acreditado embaixador sul-coreano no país a 27 de Outubro de 2022, Kwang-Jin Choi aborda, em entrevista exclusiva ao Jornal de Angola, sobre os 30 anos de relações diplomáticas e os próximos passos para o fortalecimento do intercâmbio entre os dois Estados.

14/01/2023  Última atualização 11H23
Embaixador Kwang-jin Choi fala do reforço da futura parceria © Fotografia por: Cedida

Amante da cultura e desporto, o diplomata antevê a maximização da cooperação com Angola nos próximos anos, sustentada pelos indicadores económicos em consequência do aumento do preço internacional do petróleo e a política de diversificação económica do Governo, liderado pelo Presidente João Lourenço.

Embaixador, depois de 30 anos de relações diplomáticas, quais são os próximos passos da cooperação com Angola?

Nos últimos 30 anos, os dois países têm ampliado a cooperação em vários domínios, como Político, Económico, Social e Cultural. O ano transacto ficou marcado com a criação dos novos Governos da Coreia e de Angola. No 30º aniversário, a Coreia e Angola analisaram três novas oportunidades de cooperação: Primeiro, o Governo coreano planeia realizar a Cimeira Coreia-África, em Seul, em 2024, com o principal objectivo de tornar a Coreia do Sul num Estado-Pivot Global (Global Pivotal State),promovendo a liberdade, paz e prosperidade e renovar as relações diplomaticas com os países africanos. Espera-se que, com a participação do Presidente João Lourenço nesta Cimeira, a parceria mutuamente benéfica e voltada para o futuro entre os dois países possa ser fortalecida.

Em segundo lugar, após o final de quase três anos de crise, devido à Covid-19, prevalece a opinião de que os indicadores económicos de Angola atingirão um desenvolvimento positivo, em consequência do aumento dos preços internacionais do petróleo e da política de diversificação económica do Governo angolano. Temos esperança que, aproveitando essas oportunidades, a cooperação económica entre os dois países será maximizada.

Por fim, o Governo coreano está a promover a realização da Expo-Mundial 2030 em Busan. A Coreia planeja compartilhar a sua experiência de desenvolvimento económico com o mundo e apresentar uma visão sustentável para questões internacionais, como mudança climática, crise de Saúde e polarização da alta tecnologia que o mundo está a enfrentar. Neste âmbito, espera-se que o desenvolvimento das relações entre a Coreia e Angola seja alcançado em grande escala.

 

Como se pode analisar a cooperação bilateral?

A Coreia e Angola estabeleceram relações diplomáticas a 6 de Janeiro de 1992, tendo aberto a Embaixada da República da Coreia em Luanda em 2007. De seguida, a Embaixada de Angola na Coreia em 2008 e  têm  sido desenvolvidas continuamente nos campos da Política, Economia, Sociedade, Cultura e outros.

No seu discurso da tomada posse como terceiro Presidente da República de Angola, em Setembro de 2017, o Presidente João Lourenço nomeou directamente a República da Coreia como um dos 12 principais parceiros de cooperação de Angola. Em particular, 2022 marcou o 30º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas. A relação entre os dois países pode ser vista, actualmente, em seu melhor momento.

 

Os resultados até aqui satisfazem a diplomacia sul-coreana para Angola e África?

Com certeza que sim. Angola está, geograficamente, localizada entre a África Austral e Central e ao mesmo tempo tem uma costa de 1.600 km, facilitando a entrada em países ocidentais como a Europa e os Estados Unidos. Ao mesmo tempo, é o segundo maior produtor de petróleo da África Subsaariana e um dos países africanos importantes que luta pela paz e segurança regional com base em políticas nacionais estáveis.

O Governo coreano mantém uma relação estreita com Angola que desempenha um papel fundamental no continente africano, nos últimos 30 anos, e está empenhado em melhorar o posicionamento da nação coreana não apenas em Angola, mas nos demais países africanos e no mundo.

 

Quais são as áreas estratégicas?

Os dois países têm cooperado activamente em vários campos, incluindo Política, Economia e Cultura. Primeiro, a Coreia despachou cerca de 200 engenheiros militares coreanos para a 3ªMissão de Manutenção da Paz de Angola da ONU por quase um ano, de Outubro de 1995 a Dezembro de 1996, quando Angola estava no meio de uma guerra civil.

Na altura, a nossa tropa de engenheiros militares estava colocada nas províncias de Angola e realizava, sobretudo, obras de restauro de pontes e estradas destruídas pela guerra civil.

No caso da Economia, a troca comercial entre os dois países aumentou mais de 100 vezes, passando de 17,4 milhões de dólares norte-americanos para 2 mil milhões de dólares em 2015, e o investimento aumentou cerca de 800 vezes, passando de 110 mil dólaresnorte-americanos para 87,4 milhões de dólares norte-americanos em 2021.

O sector da Cooperação também está a expandir-se gradualmente na indústria pesqueira, de petróleo bruto e construção para campos de energia renováveis, como agricultura e energia solar. Em termos de cultura, Hallyu (Onda coreana) está a ganhar muita popularidade e o interesse na língua e cultura coreanas e cresce dia a dia, graças à popularidade da banda coreana BTS e à série da Netflix, chamada "jogo da Lula”.

 

E culturalmente?

Army, fã-clube do grupo de K-Pop BTS, formado e liderado por jovens angolanos têm espalhado de forma incansável o projecto para espalhar o Hallyu e a Embaixada da Coreia apoia activamente às actividades do grupo.

Eles também dirigem várias actividades publicitárias e de promoção da Hallyu voltadas para o povo angolano, realizando concursos de dança K-Pop e exibições de videoclipes por conta própria. Além disso, a popularidade do Taekwondó em Angola, também, tem difundido continuamente. Em Agosto de 2022, cerca de 3.400 pessoas praticavam o Taekwondó em 59 academias de Angola.

Falando do desenvolvimento, o projecto Assistência Oficial ao Desenvolvimento da Coreia para Angola acumulou cerca de 200 milhões de dólares desde 1992, ocupando o 6º lugar entre os países africanos beneficiários.

Os projectos de reforço de capacitação de docentes e professores, do Centro Industrial de Tecnologia Avançada (CITAV), e de Inovação para Segurança Pública de Angola para três províncias do Noroeste de Angola, estão em curso, tendo sido recentemente concluído o projecto de modernização agrícola no Sumbe.

 

Até pouco tempo, o investimento sul-coreano rondava os 110 mil dólares. Como está avaliado agora?

O valor do investimento aumentou cerca de 800 vezes, passando de 110 mil dólares norte-americanos para 87,4 milhões dólares americanos em 2021.

O investimento teve consideravelmente lento durante os últimos anos devido à queda dos preços internacionais do petróleo e à recessão económica em Angola, causada pela pandemia da Covid-19, à medida que os preços internacionais do petróleo se recuperam, gradualmente, e entram na era pós-Covid-19, espera-se que a escala de investimento retorne ao nível do ano anterior.

 

Além do petróleo bruto, também há interesses em outras áreas…

As importações sul-coreanas de Angola incluem petróleo bruto, diamantes e outros produtos pesqueiros, enquanto as exportações incluem maquinário, produtos siderúrgicos, automóveis e navios.

 

A economia sul-coreana é uma das mais estáveis do mundo. O que Angola pode extrair dessa experiência?

Mesmo nas ruínas da guerra, que começou com a invasão do Sul pela Coreia do Norte em 1950 e destruíu todas as instalações nacionais e fundações sociais e económicas, juntos, o Governo e o povo desempenharam um papel de liderança no desenvolvimento económico, tornando a Coreia a décima maior economia do mundo actualmente. Além disso, a Coreia ocupa o 12º lugar em soft power, 8º no comércio mundial e 23º em competitividade global.

O Governo sul-coreano estabeleceu um paradigma económico sustentável ao integrar e gerenciar os macro-objectivos e o processo de micro-implementação do desenvolvimento económico nacional por meio do estabelecimento e implementação do Plano Nacional de Desenvolvimento de cinco anos.

As empresas sul-coreanas também mantiveram uma força motriz para o crescimento por meio da gestão criativa e da inovação tecnológica, ao mesmo tempo em que construíram uma base para uma gestão corporativa vantajosa para todos, mantendo relações harmoniosas de trabalho e gestão.

O povo da República da Coreia também alimentou o potencial de crescimento nacional por meio de seu zelo pela Educação Superior e, apesar das duas crises financeiras, superou as crises nacionais por meio de patriotismo dedicado por meio de campanhas de arrecadação de ouro. A força motriz por trás do Saemaul Undong, também, foi alcançada por meio da participação activa e da contribuição dedicada do povo.

 

Mas Angola e a Coreia têm história quase similar…

Angola possui abundantes recursos naturais e a Coreia possui tecnologia de ponta, capital e excelentes recursos humanos e com esses pontos, permitindo o desenvolvimento de relações mutuamente complementares.

Em particular, a Coreia e Angola compartilham histórias dolorosas, como o domínio colonial e a guerra civil, e entre os povos dos dois países um vínculo cultural e emocional, de modo que a possibilidade de desenvolver uma relação de cooperação entre os dois países é ilimitada.

 

Quais são as prioridades sul-coreanas em Angola?

A Coreia está muito interessada nos abundantes recursos naturais de Angola, incluindo petróleo e gás natural. Além das fontes de energia tradicionais, também estamos a buscar as oportunidades de investimento em campos de energia renováveis, como energia solar e hidrogénio.Desde 2017, a Embaixada da República da Coreia em Angola tem discutido formas de promover o investimento bilateral no sector energético, através da realização do Seminário de Cooperação sobre Energia Coreia-Angola.

Além da área de Energia, a Coreia também tem interesse em peças de automóveis e geradores.Em Angola, há muitas viaturas da Hyundai e da Kia, e as empresas coreanas de manutenção de auto-peças veem Angola como um mercado com grande potencial e estão a procurar as oportunidades de investimento.

 

A Coreia está entre os principais países parceiros (comerciais, económicos, culturais, tecnológicos) de Angola. O que falta para que os dois tenham uma parceria estratégica?

Espera-se que as trocas de alto nível que não foram feitas devido à situação da Covid-19 sejam revitalizadas.Em particular, como mencionado acima, como o Governo coreano está a promover a 'Cimeira Coreia-África', em Seul, em 2024, na mesma ocasião espera-se que o Presidente João Lourenço visite a Coreia e realize uma reunião de cúpula com o Presidente Yoon Seok-yeol, da Coreia, para verificar o estado actual da cooperação entre os dois países e descobrir novas áreas de cooperação.

 

Nos últimos dois anos, Angola tem contado com o apoio da Coreia em questões de segurança pública, através da linha de financiamento do Eximbank. Para quando a expansão desses serviços pelo país?

Como a Agência Nacional de Polícia da Coreia e o Banco de Exportação e Importação da Coreia (Eximbank) avaliam que a primeira fase do projecto para fortalecer a segurança pública foi concluído com muito sucesso, espera-se que a segunda fase do projecto para fortalecer a segurança pública também seja lançado num futuro próximo.

Através deste projecto, espera-se que a segurança de Luanda, a capital, e seus subúrbios seja melhorada, o que terá um efeito positivo na vida do povo angolano e dos investidores estrangeiros que entram em Angola.

A cidade sul-coreana de Busan candidatou-se para a albergar a Expo. Como está o processo de candidatura e o que a Coreia almeja com este evento?

O Governo coreano apresentou a carta de candidatura para a realização da Expo Mundial em Busan 2030 com o tema 'Transformando o Nosso Mundo, Navegando em Direcção a um Futuro Melhor' e subtemas de vida sustentável com a natureza, tecnologia para a humanidade e um lugar de cuidado e compartilhamento.

Por meio deste evento, a Coreia planeia compartilhar a experiência de desenvolvimento e apresentar uma visão de desenvolvimento sustentável para os desafios enfrentados pelo mundo, como mudança climática, crise da saúde e polarização da tecnologia de alta tecnologia.

Em particular, a Coreia alcançou estabilidade política e desenvolvimento económico ao fazer a transição de um país doador para um país doador na comunidade internacional em meio às ruínas da guerra. Queremos devolver essas experiências e know-how para superar dificuldades  na comunidade internacional, através da Expo-Mundial em Busan 2030.

 

Este ano foi o do 30º aniversário das relações diplomáticas. Várias actividades foram realizadas. O que destacar?

Comemorando este ano o 30º aniversário do estabelecimento das relações diplomáticas entre os dois países, houve troca de mensagens de felicitações entre os ministros dos Negócios Estrangeiros da Coreia e o das Relações Exteriores de Angolano início do ano, bem como troca de mensagens de felicitações entre os líderes dos dois países por ocasião da criação do novo Governo.

Além disso, a visita do vice-ministro para os Assuntos Económicos e Diplomáticos da República da Coreia a Angola e de Domingos Custódio Vieira Lopes, secretário de Estado para a Cooperação Internacional e Comunidades Angolanas do Ministério das Relações Exteriores à Coreiaproporcionaram uma oportunidade para revitalizar os intercâmbios de alto nível entre os dois países, que se encontravam lentos devido à Covid-19.

Com vista a dinamizar a cooperação económica entre os dois países, a Embaixada da Coreia realizou um Fórum Empresarial e um Seminário de Cooperação sobre Energia com a participação dos membros governantes angolanos e empresários dos dois países, estabelecendo assim uma ponte para a continuação da cooperação económica entre os dois países.

Em Novembro deste ano, realizou-se a cerimónia de inauguração do Projecto de Melhoria de Drenagem da Fazenda de Algodão na província do Cuanza-Sul apoiado pelo Governo coreano, com a presença do assessor económico da Presidência da República e do ministro da Agricultura e Florestas, avaliou-se que a tecnologia avançada da Coreia lançou as bases para a modernização agrícola de Angola, bem como contribuiu para aliviar o desemprego rural.

As competições Quiz on Korea e o Torneio Nacional de Taekwondó foram realizadas com sucesso para fortalecer o intercâmbio privado e a cooperação entre os povos dos dois países, contribuindo muito para o entendimento cultural mútuo entre os povos das duas nações.

Ainda em Novembro, realizou-se no Pavilhão do Kilamba um evento cultural comemorativo do 30º aniversário das relações diplomáticas entre a Coreia e Angola, que contou com a presença de 2.000 pessoas dos dois países, a colaboração entre artistas tradicionais e contemporâneos de ambos os países foi mostrada, e avaliada como tendo contribuído muito para aumentar a confiança e o entendimento entre os povos dos dois países.

 

Desde que o embaixador Choi chegou a Angola, quais têm sido as suas impressões e aspirações?

Em 2022, momento em que se assinalou o 30º aniversário das relações diplomáticas Coreia-Angola, cheguei a Angola a 14 de Março com a missão de encontrar novas oportunidades de desenvolvimento em vários domínios. Depois, aprendi muito ao interagir com o Governo e o povo angolano. Em particular, é a primeira vez que eu comecei missão em África, mas estou feliz que o trabalho tenha sido realizado sem problemas, sob o caloroso amor, interesse e consideração do Governo e do povo de Angola. Expresso a minha gratidão por esta oportunidade. A Coreia e Angola estão geograficamente distantes, mas cultural e emocionalmente sentem-se muito próximas. Espera-se que isso sirva como um bom solo para o desenvolvimento de relações bilaterais no futuro.Nos novos 30 anos, com base nesta fundação, farei o melhor junto com a equipa da Embaixada da Coreia durante o meu mandato para o desenvolvimento abrangente e inovador das relações.

Entre outros afazeres, sabe-se que o embaixador gosta de escrever. Pode partilhar o poema inspirado nas relações entre Angola e a Coreia?

Com essas aspirações pessoais, escrevi um poema:

«Angola e Coreia(Comemorando o Trigésimo Aniversário)

O Sol nascendo sobre a Península Coreana

Vindo do Chitato

do Pensador

Fazendo acrobacias

no arco-íris

Das Quedas

de Kalandula e

Acampa no ponto

de vista da Lua

O dragão do Mar do Leste

Concedeu a flauta de supressão de Ondas

Para proteger

a Península Coreana e

A lendária deusa

 Kianda é recebida

Por um grupo de golfinhos

Que dançava livremente ao ritmo do Semba

Na praia do Mussulo

As borboletas que sobrevoam a zona desmilitarizada

Cantam a liberdade

Na floresta

tropical de Maiombe

As roupas ensanguentadas dos ascendentes

coreanos

Tornaram-se as

 suas bandeiras e

A bandeira angolana

que carrega

Os sonhos e a

ambição da Rainha Njinga

dos reinos de Matamba

Voam alto sobre

os dois países

 

A Coreia e Angola

Face a uma geração

da sua relação

Podem desfrutar

de milénios de

Paz, Prosperidade

e Amizade

Sob os auspícios do céu, do profundo mar azul, da natureza, dos ascendentes e de ambos os povos».

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Entrevista