Mundo

COP26: África pode perder 30% do PIB sem medidas urgentes

O Presidente do Quénia disse esta quarta-feira (27) que o Produto Interno Bruto (PIB) do continente africano pode contrair-se até 30% até 2050 se não forem tomadas medidas urgentes para os países se adaptarem às alterações climáticas.

27/10/2021  Última atualização 16H24
Uhuru Kenyatta © Fotografia por: DR
Falando durante um evento organizado pelo Centro Global para a Adaptação, Uhuru Kenyatta apontou que "um investimento de 800 milhões de dólares [676 milhões de euros] em programas de adaptação climática nos países em desenvolvimento daria um retorno de 16 mil milhões de dólares [13,5 mil milhões de euros] por ano".

Citado pela agência de informação financeira Bloomberg, o chefe de Estado do Quénia salientou que apesar de os países africanos contribuírem relativamente pouco para as alterações climáticas em termos de emissões de carbono, estão entre os mais afectados, em parte porque dependem fortemente da chuva para alimentar a produção agrícola familiar, que é fonte de rendimento de milhões de africanos.

O aumento da temperatura e dos níveis do mar, bem como as chuvas anormais, tiveram uma influência forte na frequência e intensidade dos desastres naturais; a maioria dos desastres em África estão relacionados com inundações, apesar de a seca ter um impacto maior, afectando cinco vezes mais pessoas, disse o director executivo do Centro, Patrick Verkooijen.

O Quénia comprometeu-se a investir cerca de 8 mil milhões de dólares, cerca de 6,7 mil milhões de euros, na próxima década em projectos de adaptação ao clima, disse Kenyatta, reconhecendo que esta verba representa apenas 10% do que precisa de gastar no âmbito dos compromissos assumidos no Acordo de Paris, precisando de apoio internacional para financiar o resto.

Milhares de especialistas, activistas e decisores políticos reúnem-se a partir de domingo em Glasgow na 26.ª cimeira da ONU sobre alterações climáticas (COP26), com o objectivo principal de travar o aquecimento do planeta.

As alterações climáticas são, segundo o secretário-geral da ONU, António Guterres, o maior problema da humanidade, e vão afectar dramaticamente o futuro se nada de substancial for feito.

As emissões de gases com efeito de estufa, que os países tentaram controlar no Acordo de Paris de 2015, mas que continuam a aumentar, estão já a afectar o clima e a natureza das mais diversas formas, segundo os cientistas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo