Economia

Cooperativas e associações de camponeses legalizadas

Quarenta cooperativas e associações de camponeses de Malanje habilitaram-se à legalização gratuita e à obtenção de financiamento ao abrigo do Programa Nacional de Fomento do Comércio Rural, mercê da participação numa acção formativa sobre novas práticas agrícolas e cooperativismo.

14/11/2021  Última atualização 08H16
Financiamentos estão a ajudar as associações de camponeses © Fotografia por: Edições Novembro
No fim da acção formativa, na quinta-feira, o chefe do Departamento Nacional do Fomento do Comércio Rural, Evaristo Baptista, indicou que, numa fase prévia, o programa elegeu as províncias de Malanje, Cuanza-Norte, Cuanza-Sul, Huambo e Namibe para a implementação de projectos-piloto.

A província de Malanje contava,  até quinta-feira, com  18 cooperativas e associações formalizadas, 16 das quais já financiadas por bancos no quadro desse programa, às quais devem se juntam as 40 naquele dia habilitadas.

Participaram na formação filiados a cooperativas e associações de camponeses dos municípios de Marimba Mucari e Cahombo. "Esta acção vai representar um grande ganho, porque habilita os operadores ao acesso à documentação e ao crédito bancário para poderem alavancar os negócios nas comunidades em que produzem, para e levar os produtos aos centros do consumo”, disse o chefe do Departamento Provincial do Comércio, Diamantino Fila.
   

Embalagem da produção

O Grupo Tegma-Sul, detentor das batatas fritas "Palanca”, começou, sexta-feira, a operar uma linha de embalamento de batata-doce e mandioca na unidade que possui em Cacuso, Malanje, onde  emprega um total de 54 trabalhadores.

Com a linha de montagem de fabrico italiano, a fábrica eleva a produção para 10 toneladas por dia, comercializadas, principalmente, no mercado de Luanda, de acordo com informações obtidas da directora da empresa, Zenaida Sambo.


A companhia, que embala para comercialização uma ligeira percentagem da produção camponesa de Malanje, também está vocacionada para empacotar produtos secos do campo como a batata-doce, arroz e feijão, contribuindo para a conservação e a criação de valor acrescentado.

Venâncio Victor e Eduardo Cunha | Malanje

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia