Política

Contributo de Agostinho Neto na libertação da África Austral abordado em colóquio

Em saudação ao Centenário de Agostinho Neto, a Embaixada da República de Angola na República da Namíbia realizou um colóquio, na quinta-feira, sobre “o contributo do Presidente Agostinho Neto na Libertação e Paz na Região da África Austral”.

24/09/2022  Última atualização 08H45
Colóquio na Itália juntou especialistas, políticos, comunidade angolana em Roma e corpo diplomático para © Fotografia por: DR

Um evento que marca o ponto mais alto de um leque de actividades que estão a ser desenvolvidas pela Embaixada de Angola, para homenagear o primeiro Presidente e Fundador da Nação angolana, refere em comunicado a missão diplomática.

Importantes figuras do Governo namibiano estiveram presentes ao acto como o Vice-Presidente da República da Namíbia, Nangolo, Mbumba, a vice -Primeira-Ministra e ministra das Relações Internacionais e Cooperação, Netumbo Nandi Ndaitwah. O evento contou, ainda, com a participação do corpo diplomático acreditado na Namíbia, cidadãos namibianos e a comunidade angolana residente em Windhoek.

 O primeiro Presidente e Fundador da Nação namibiana, Sam Nujoma, endereçou uma mensagem ao povo angolano, lida na ocasião por Nahas Angula, da Fundação Sam Nujoma, mostrando o seu apreço por Neto a quem conheceu em 26 de Março de 1976, em Luanda, durante a Conferência de Solidariedade aos Povos de África e Ásia.

 Para Sam Nujoma, o Presidente Neto foi determinado até que não só Angola mas toda África Austral se tornasse independente.

 A embaixadora de Angola na Namíbia, Jovelina Imperial, destacou a figura de Neto enquanto Estadista e nacionalista angolano e o legado segundo o qual "o mais importante é resolver os problemas do povo”, e que a luta não terminava somente com a Independência de Angola, mas com a libertação dos povos irmãos da África Austral, pois, para Agostinho Neto, na sua dimensão panafricanista "na Namíbia, no Zimbabwe e na África do Sul estava a continuação da nossa luta”.

 O Vice-Presidente da Namíbia, Nangolo Mbumba, frisou que Setembro marca a figura de um grande panafricanista, um revolucionário e herói africano, agradecendo ao Governo e ao povo angolano pela consolidação da democracia na região.

 Hoje, será realizado um festival músico-cultural, bem como a entrega de taças e medalhas aos vencedores do torneio de futsal Centenário de Agostinho Neto, desfile de trajes angolanos e uma feira com a participação de toda a comunidade, encerrando as actividades em celebração aos 100 anos de Agostinho Neto.

 Mesa-redonda assinala centenário de Neto na Itália

A Embaixada de Angola na Itália promoveu, hoje, em Roma, uma mesa-redonda para assinalar o Centenário Natalício do primeiro Presidente da República de Angola, António Agostinho Neto.

 Subordinada ao tema "Agostinho Neto: Poeta, Homem e Pai da Independência de Angola”, a actividade foi orientada por Maria de Fátima Jardim e contou com a participação do embaixador de Angola junto da Santa Sé, Paulino Baptista.

 Estiveram, igualmente, os embaixadores estrangeiros, um representante do Governo italiano, membros do corpo diplomático acreditado na Itália, amigos de Angola e da comunidade angolana radicada em Roma.

 Na ocasião, a embaixadora Maria de Fátima Jardim sublinhou que o Presidente Agostinho Neto esteve várias vezes na Itália durante o período da luta armada contra o colonialismo português, o que confere um momento especial a esta celebração em Roma.

 Neste país europeu, acrescentou, Neto contou com um importante apoio de militantes anti-colonialistas italianos, que juntaram a sua voz a outros povos do mundo para a causa dos angolanos e de africanos sob o jugo colonialista.

 Sobre a trajetória política de Agostinho Neto, a professora Maria Grazia Russo, directora da Faculdade de Interpretação e Tradução da Universidade dos Estudos Internacionais de Roma (UNINT), revisitou o passado do primeiro Presidente de Angola.

 Destacou o período em que começou a obter reconhecimento internacional através do engajamento de intelectuais que conheciam o sentido humanista e a sua poesia, enquanto o professor Giorgio De Marchis, coordenador da Cátedra Agostinho Neto da Universidade de Estudos Roma Tre, instituída a 24 de Março de 2014, em colaboração com a Fundação António Agostinho Neto e a União dos Escritores Angolanos, realçou o percurso político de Neto, entre 1960 e 1970, altura em que visitou regularmente a Itália em busca de apoio para a libertação de Angola.

Giorgio De Marchis recordou que o primeiro contacto de Agostinho Neto com uma personalidade italiana aconteceu durante os anos de prisão em Lisboa e foi com Joyce Lussu (1912–1998) uma escritora e poetisa anti-fascista, que fez a estreia de tradução para a língua italiana da antologia de Agostinho Neto com o título Con gli occhi asciutti (Com os olhos secos), em 1963.

 Para o catedrático, o episódio fundamental que une Agostinho Neto a Itália é a sua participação, em 1970, na Conferência Internacional de Solidariedade com os Povos das Colónias Portuguesas, que decorreu em Roma em finais de Junho.

 À margem desta conferência, realizou-se um dos eventos mais significativos e relevantes da luta anticolonial: o encontro de Agostinho Neto, Marcelino dos Santos e Amílcar Cabral com o Papa Paolo VI. De Marchis notou que essa reunião, de meia hora, a 1 de Julho de 1970, assinalou o começo do fim do colonialismo em Angola e, percebendo da relevância estratégica desse encontro, Amílcar Cabral considerou-o como o "primeiro dia da nossa criação como Nação” e o Governo português, indignado pela audiência Papal privada concedida aos três líderes, retirou o seu embaixador no Vaticano.

A actividade prosseguiu com uma mostra fotográfica e a projecção de um vídeo sobre a vida e obra de Agostinho Neto, a outorga de diplomas aos dois oradores, bem como a projecção de um filme sobre as sete maravilhas de Angola, visando a promoção do turismo nacional e culminou com uma exibição do cantor angolano Eddy Tussa.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política