Economia

Contrabando de combustíveis analisado entre Angola e RDC

Victorino Joaquim

Jornalista

O Governo angolano pretende implementar uma nova estratégia de combate ao contrabando de combustível, com apoio do Governo da República Democrática do Congo (RDC), declarou o ministro dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás, Diamantino Azevedo, ao seu homólogo para os Hidrocarbonetos daquele país, Didier Ntubuanga, ontem, em Luanda.

24/09/2021  Última atualização 08H10
Angola tem denunciado o tráfico de combustíveis ao longo da extensa fronteira com a República Democrática do Congo © Fotografia por: Edições Novembro
Num encontro consagrado à análise do domínio dos hidrocarbonetos do dossier da Zona de Interesse Comum (ZIC, um projecto de cooperação bilateral em adopção pelos dois países), em que os dois ministros avaliaram a execução das recomendações de um encontro realizado em Novembro de 2020, Diamantino Azevedo defendeu mais esforços no domínio da fiscalização para impedir o contrabando.

O governante reafirmou o interesse do Governo angolano na materialização da Zona de Interesse Comum, anunciando que, no quadro das recomendações da reunião de Novembro,  Angola tem vindo a marcar passos que já permitiram a criação da sua comissão técnica que vai trabalhar no acompanhamento da implementação do projecto bilateral.

Diamantino Azevedo explicou o interesse angolano em avançar com o projecto ZIC, pelas oportunidades que poderá gerar para os dois países e a urgência no desencadeamento de acções no domínio da transição energética, apelando para a necessidade da adopção de um cronograma de trabalho com acções e prazos devidamente definidos.O ministro também referiu as realizações no domínio da reestruturação do sector petrolífero do país e ressaltou a importância da criação da comissão técnica conjunta. 

Por sua vez, o ministro dos Hidrocarbonetos da República Democrática do Congo manifestou a necessidade de se formalizar o comércio informal praticado pelos povos dos dois países, uma vez que, de "Angola, partem vários produtos acabados com destino à RDC por via de um comércio informal”, algo que considerou que deve acabar, "para que os dois países possam ganhar”.

Didier Ntubuanga disse esperar que, dentro de 14 meses, o projecto ZIC possa ser concretizado, para a RDC poder obter benefícios da componente dos hidrocarbonetos, admitindo que o seu país está atrasado no que concerne à execução das recomendações saídas do último encontro, realizado em Novembro do ano passado.Segundo o ministro congolês, o atraso deve-se, entre outros factores, a uma alteração do Governo da RDC, com o qual o país passou a contar com um novo ministro dos Hidrocarbonetos.

O encontro de ontem analisou, entre outros assuntos, a situação e o potencial petrolífero da Zona de Interesse Comum, protocolos e contratos assinados entre os dois países, a criação de uma comissão técnica bilateral para o acompanhamento da implementação do  ZIC e a criação de um mecanismo conjunto para a comercialização de produtos petrolíferos entre os dois países, bem como a criação de um roteiro de acções.

Angola e a República Democrática do Congo partilham uma extensa fronteira terrestre, marítima e fluvial e, nos últimos anos, "cresce o contrabando de combustível”, na zona comum, denunciado constantemente pelas autoridades angolanas.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia