Economia

Contabilistas angolanos buscam reconhecimento internacional

Ana Paulo

Jornalista

A Ordem dos Contabilistas e Peritos Contabilistas de Angola (OCPCA) pretende alargar o mercado de actuação dos actuais mais de cinco mil membros com o reconhecimento e integração no organismo internacional da classe.

29/11/2022  Última atualização 11H47
Presidente Tomás Faria © Fotografia por: DR

De acordo com o presidente da Mesa da Assembleia-Geral, Tomás Faria, o organismo angolano está em fase reorganizativa, mas continua focado ante ao compromisso de alargar o mercado de trabalho para o auto-sustento dos filiados.

Tomás Faria aproveitou lembrar que a visita de uma semana, que está a ser realizada, desde ontem, pelos peritos da congénere internacional, é fruto da cooperação e intenção manifestada por Angola da sua necessidade de integração.

Adesão ao IFAC

A avaliação da candidatura de Angola para membro da Federação Internacional dos Contabilistas (IFAC sigla em inglês) arrancou, na segunda-feira, em Luanda, onde está uma delegação com o mesmo propósito.

A IFAC trata-se de uma organização que congrega as ordens de contabilistas de todos os países do mundo e que é responsável pelo reconhecimento e emissão das normas internacionais de contabilidade e de relato financeiro.

A presença destes profissionais decorre da colaboração com a Ordem dos Contabilistas e dos Peritos Contabilistas de Angola (OCPCA), em representação do IFAC.

A responsável da Federação Pan-Africana de Contabilistas (PAFA), Evelyn Mwapasa, encabeça a missão que veio a Luanda para aferir a conformidade da OCPCA com os requisitos do IFAC, para ser membro da organização.

Conforme apurou o Jornal de Angola, entre os requisitos em que o país será avaliado destacam-se os requisitos sobre normas internacionais de contabilidade e de relato financeiro, normas internacionais de auditoria, normas internacionais para o sector público, código de ética, normas internacionais sobre o controlo de qualidade e as normas internacionais sobre educação, investigação e disciplina.

Evelyn Mwapassa, durante a visita de sete dias a Angola, acompanhada pela OCPCA, vai realizar reuniões ao mais alto nível com instituições do sector público como o Ministério das Finanças; Ministério da Economia e Planeamento, os reguladores, supervisores e fiscalizadores do Sistema Financeiro Banco Nacional de Angola (BNA), Comissão do Mercado de Capitais (CMC) e a Agência Reguladora de Seguros e Fundos de Pensões (ARSEG) e os responsáveis pelo Tribunal de Contas.

A representante da PAFA vai ainda no âmbito da avaliação do estado da contabilidade em Angola reunir-se com o sector privado com destaque para os representantes das principais firmas internacionais de consultoria e auditoria financeira (Big Four), presidentes de associações empresariais como as câmaras de comércio de vários países em Angola.

Estão ainda previstos encontros com as organizações internacionais, como o Fundo Monetário Internacional (FMI) e Banco Mundial em Angola bem como reitores das Universidades, que leccionam a cadeira de Contabilidade e Auditoria.

A primeira reunião de Evelyn Mwapassa, no âmbito desta avaliação, ocorreu nesta segunda-feira, 28, e foi com os presidentes dos órgãos sociais da Ordem dos Contabilistas e dos Peritos Contabilistas em Angola.

 

Normas internacionais

Para o vice-presidente do Conselho Directivo da OCPCA, Alberto Seixas, entre os benefícios de Angola tornar-se membro do IFAC destaca-se a adesão às normas internacionais, que vai colocar as contas do Estado e das empresas no dialecto internacional usado por todos os países e que vai ajudar a facilitar e reduzir as exigências dos bancos e instituições internacionais para financiar projectos de empresas e do Estado em Angola.

"A maior facilidade no acesso a financiamento às empresas vai permitir a criação de mais empregos e apoiar o desenvolvimento do país bem como contribuir para acelerar o processo de diversificação da economia", lê-se numa nota da OCPA.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia