Regiões

Construções de empreendimentos sinalizam ganhos em Cambambe

André Brandão| Ndalatando

A construção e reabilitação de quatro escolas, a conclusão do hospital municipal, a aquisição de equipamentos hospitalares e de saneamento básico, bem como a reabertura da fábrica da Satec, constam dos principais ganhos dos últimos cinco anos do município de Cambambe, numa altura em que a vila sede, Dondo, acabou de celebrar, no dia 28 de Maio, 49 anos, desde a sua elevação à categoria de cidade.

03/06/2022  Última atualização 09H40
© Fotografia por: DR

Em declaração ao Jornal de Angola, o administrador municipal de Cambambe, Adão Malungo, disse que os equipamentos atrás referidos enquadram-se no âmbito do Plano Integrado de Intervenção aos Municípios (PIIM), com um valor estimado em dois mil milhões de Kwanzas.

Das quatro  escolas, três foram construídas de raiz e uma reabilitada. Absorveram, no presente ano lectivo, 1.855 alunos do primeiro e segundo ciclos.

Duas escolas foram erguidas nos bairros Cassesse "Um” e Maxinde (Alto Dondo), com capacidade de 12 salas cada, para além de outra de sete salas na comuna de Danja-ya-Menha. Estão em fase conclusiva, no centro da cidade do Dondo, mais uma instituição de ensino com 22 salas, cujo grau de execução física ronda os 75 por cento e 60 de realização financeira.

No sector da Saúde, ainda no âmbito do PIIM, a administração local adquiriu aparelhos de Raio X e ecografia, bem como materiais gastáveis. Ass áreas do laboratório e a hemoterapia foram requalificadas e modernizadas, assim como está em fase de conclusão a reparação e ampliação do hospital municipal, que passou de 30 para 100 camas para internamentos.

A unidade conta, igualmente, com uma morgue de 12 gavetas, laboratórios, sala de Tomografia Axial Computorizada (TAC) e foram acoplados os centros de tratamento da tuberculose e de aconselhamento e testagem voluntária do VIH/Sida.

Adão Malungo disse que, fruto da aquisição dos novos equipamentos médicos, reduziu a 75 por cento o número de transferências de pacientes que careciam de exames de análises clínicas que somente eram efectuados em Ndalatando e na província de Luanda.    

Para o saneamento básico da cidade do Dondo e arredores, foi adquirida uma pá carregadora, retroescavadora, dois camiões, uma cisterna e outro basculante de 18 toneladas, contentores, carrinhos de mão, máquinas de corte da relva, vassouras e motos serras.

  Água na cidade do Dondo

O administrador municipal de Cambambe afirmou que, com a inauguração do centro de abastecimento, tratamento e distribuição de água potável para os 57 mil habitantes, da cidade do Dondo e arredores, o sistema teve uma requalificação de 30 quilómetros da rede interna de distribuição.

No sistema estão já contabilizadas 1.400 ligações domiciliares a nível do casco urbano, enquanto outros ainda recebem a água a partir de 24 chafarizes, boa parte deles instalados na zona periférica da cidade.

Adão Malungo considerou que as ligações e a melhoria da distribuição de água também passam pela criação de uma estação de captação e tratamento no bairro dos Cahoio.

O projecto, de âmbito central, tinha sido iniciado em 2013, tendo paralisado em 2015, devido a problemas financeiros. Três anos depois foi retomado, com o principal objectivo de substituir a rede interna de distribuição de água, criada há mais de 60 anos, facto que provocou sucessivas rupturas a nível do sistema.

O novo sistema de captação e tratamento foi construído  sobre uma plataforma flutuante, onde está instalada uma electrobomba submersível, com capacidade para bombear 45 metros cúbicos de água por hora.

O empreendimento possui, também, dois reservatórios que perfazem um total de mil metros cúbicos de água, 35 quilómetros de rede de distribuição, composta por uma conduta primária de 160 milímetros que alimenta diversos ramais de 60 e 140 milímetros, em substituição da antiga conduta de fibrocimento.

Até à sua fase final, o projecto prevê a criação de mais mil ligações e 50 fontenários públicos e o alargamento desses serviços aos bairros Terra Nova e 10 de Agosto. O programa prevê uma terceira fase, onde se vai construir uma estação de captação e tratamento, na zona do Alto Dondo, que começa depois da conclusão das obras do último tanque de armazenamento, no Dondo.

Projectos habitacionais e reassentamentos de famílias

Dos 200 fogos habitacionais previstos no bairro 10 de Agosto, a empresa contratada ergueu apenas 50 casas. O projecto está, agora, sem pernas para andar, lamentou o administrador.

Às 300 famílias que perderam as suas residências nas chuvas, foram entregues 179 lotes de terrenos para o seu reassentamento. As vítimas receberam, também, chapas de zinco, blocos de construção e sacos de cimento.

O  responsável ressaltou que há um projecto de âmbito central de electrificação das comunas de Danja-ya-Menha e todos os seus bairros até à subestação de tratamento e distribuição de água, a partir do rio Lucala II que será concluído no mês em curso, enquanto para São-Pedro-da-Quilemba somente em finais de Novembro.

O mesmo plano inclui também as restaurações das pontes, valas e paredes de protecção de dois metros de altura do rio Capacala e outras duas dos rios Subo e Quiringo, já aprovados recentemente pelo Conselho de Ministros.

Pólo industrial do Dondo

Com a reabertura da fábrica Satec, o município de Cambambe ganhou outra dinâmica no âmbito do relançamento do pólo industrial, que vai poder empregar muitos jovens.

A fábrica têxtil, que retomou a sua produção depois de 25 anos paralisada, vai criar 1.200 postos de trabalho quando atingir a sua capacidade máxima para produzir mais de 300 mil peças de roupa  por mês.

Cambambe foi, até à década de 1980, o quarto parque industrial do país, além de ser considerado um ponto de trânsito obrigatório nas ligações rodoviárias entre Luanda e as províncias do Leste, Centro e Sul do país.

O pólo industrial era constituído, inicialmente, pelo complexo têxtil Satec (depois denominado Bula Matadi l), Sociedade de Vinhos (Vinelo), unidade de produção de materiais de construção (pré-blocos) e a Sociedade Algodoeira de Ambriz, que exportava para a Europa. Mais tarde, juntaram-se a fábrica de cerveja EKA e a hidroeléctrica de Cambambe.

Actualmente está em construção mais uma barragem hidroeléctrica, denominada Caculo-Cabaça, na região com o mesmo nome.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões