Economia

Compras abundantes na 1ª Feira do Arroz

Os participantes à 1ª Feira do Arroz, realizada na quarta-feira e ontem, em Camacupa (Bié), venderam quantidades significativas a compradores das províncias do Bengo, Huambo e Cuanza-Sul, de acordo com o vice-administrador municipal e coordenador do certame, Alberto Avelino.

26/06/2020  Última atualização 13H20
DR


O arroz exposto foi produzido durante a campanha agrícola em curso, com a oferta mais significativa a ser proposta pela Fazenda Arrozal, segundo dados obtidos do coordenador da feira, para onde os representantes das cooperativas e associações de camponeses levaram 113 toneladas e a Fazenda Arrozal 2.700 toneladas.

O vice administrador de Camacupa garantiu que as 113 toneladas de arroz expostas pelos camponeses associados estão em negociação para aquisição por um supermercado nacional.
“Como podemos ver, estamos a fazer negócios e todos os expositores estão a ganhar”, afirmou o responsável, revelando, também, promessas de parceria e de financiamento estabelecidas por agricultores locais.

“É a primeira vez que organizamos a feira e, doravante, terá periodicidade anual, pois o sucesso assim nos impõe, apesar das limitações que tivemos devido o Estado de Calamidade”, disse Alberto Avelino.
Na feira, o arroz foi comercializado ao preço de 500 kwanzas o quilo, como o saco de cinco quilos a custar 3.500 kwanzas, o 15 quilos quatro mil kwanzas e 12.500 o de 25 quilos.

Além do arroz produzido no município de Camacupa, foram expostas outras culturas como o milho, soja, trigo e o feijão. “Estamos satisfeitos, porque já fizemos negócios de cerca de dez milhões de kwanzas aqui na feira”, anunciou.
Na abertura da feira, na quarta-feira, o vice-governador do Bié para Esfera Política e Social, António Manuel, considerou a exposição do arroz produzido em Camacupa como um ganho para a província e uma oportunidade para a valorização daquele produto.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia