Política

Comissão Eleitoral exige rigor e transparência

Os três novos comissários provinciais eleitorais do Zaire, empossados ontem, na cidade de Mbanza Kongo, foram instados pelo presidente da Comissão Nacional Eleitoral (CNE), Manuel Pereira da Silva, a pautarem pelo rigor, isenção e independência, bem como a deixarem de parte os interesses político-partidários, para a credibilização das próximas eleições.

15/09/2021  Última atualização 09H34
© Fotografia por: Edmundo Eucílio | Edições Novembro
Segundo Manuel Pereira da Silva, o povo da província do Zaire espera dos novos comissários provinciais firmeza e convicção no trabalho que doravante vão realizar.

"No cumprimento das suas tarefas, os três novos comissários provinciais eleitorais do Zaire devem pautar pela defesa, preservação da imagem e bom nome da instituição, porque a CNE é um órgão legitimador do poder político", exortou, insistindo que os comissários eleitorais devem observar quatro princípios essenciais, nomeadamente a isenção, independência, transparência e imparcialidade.

"Ninguém ou nenhum membro da Comissão Nacional Eleitoral, quer provincial, quer municipal, é superior ou chefe de outro membro. Devemos olhar para a instituição como um todo”, defendeu.

Para o comissário nacional Cremildo Paca, o empossamento dos novos comissários provinciais do Zaire visou completar os órgãos na região, tendo em conta as eleições que se avizinham. Defendeu que os empossados devem redobrar esforços, tendo em conta a responsabilidade que o acto representa para a vida política do país.

"Os comissários provinciais devem começar a redobrar os esforços, porque a CNE vai trabalhar na supervisão do processo do registo eleitoral e as eleições estão previstas para 2022”, lembrou o responsável.

Ainda ontem, o presidente da CNE conferiu posse a três comissários da CPE do Bengo indicados pelo MPLA. Trata-se de Clemente Queta, Francisco Adão e Domingos Assureira. Manuel Pereira da Silva exortou os novos membros a primarem pelo rigor e respeito à Constituição e à Lei.


  Presidente da CPE do Bié em prisão domiciliar
O presidente  da Comissão Provincial Eleitoral do Bié, Daniel Chimbinga Chande, foi detido, ontem, na cidade do Cuito, por ordem da Procuradoria-Geral da República (PGR), sob acusação de prática de crime de peculato, soube a Angop.

O responsável eleitoral, que se encontra em prisão domiciliar, é suspeito de desviar seis viaturas da instituição, assim como uma quantia monetária não especificada, que serviria para apoiar as vítimas da seca.

A Angop apurou que a prisão domiciliar foi decretada após o presidente da Comissão Provincial Eleitoral prestar declarações nas instalações do Serviço de Investigação Criminal (SIC).
Daniel Chimbinga Chande está a ser ainda acusado de cometer crimes de abuso de poder, tráfico de influência, bem como de associação criminosa.

Kayila Silvina | Mbanza Kongo
Alfredo Ferreira|Caxito

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política