Economia

CMC pede a bancos para “libertar os Títulos”

Vânia Inácio

Jornalista

A Comissão do Mercado de Capitais (CMC) está a persuadir os bancos comerciais a libertarem parte dos Títulos Públicos que detêm na sua carteira de investimentos para os repassar ao público no Mercado Secundário e, deste modo, tornar este segmento mais acessível e participativo.

24/06/2021  Última atualização 10H12
© Fotografia por: DR
De acordo com Cristina Mamede, do departamento de Comunicação e Literacia Financeira, a Comissão do Mercado de Capitais (CMC) sabe da importância destes recursos nos activos financeiras dos bancos, mas quer manter o necessário equilíbrio entre os particulares e os distribuidores.

Dados referente a Abril, fornecidos ao Jornal de Angola, atestam a abertura de 900 contas na Central de Valores Mobiliários (CEVAMA) só naquele mês, o que ilustra também o cada vez maior interesse dos detentores de poupança nos instrumentos ali transaccionados.

Na palestra "Mercados de Valores Mobiliários & Instrumentos Derivados”, o técnico daquele departamento da CMC, Osvaldo Lima, indicou ter existido, ao menos, em Abril, maior procura por Bilhetes ao invés de Obrigações do Tesouro.
Embora, tal comportamento sinalize maior preferência por Títulos de curto prazo, os dados obtidos reflectem uma maior rentabilidade aos papéis do Estado de maturidade longa.

Contudo, a CMC diz querer um mercado regulamentado com maior participação, pois existirá poupanças fora e mesmo dentro do circuito financeiro que podem ser rentabilizados e também introduzidos no circuito, com ganhos de todas as partes envolvidas.

Osvaldo Lima disse também que os negócios de troca de moeda (swaps cambiais) entre bancos, no Mercado de Derivados, foi mais activo do que os contratos de venda futura de moeda, denotando uma maior partilha de liquidez entre operadores.

Por essa razão, a estratégia de comunicação deste regulador do sistema financeiro no domínio não bancário prevê maior proximidade à imprensa, institutos e universidades, além da banca e seguradoras.


Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia