Cultura

Circuito Internacional de Teatro marcado por ousadia e união

A sétima edição do Circuito Internacional de Teatro (CIT) encerra, hoje, às 18h30, com a realização da gala final, no Centro Cultural Brasil- Angola (CCBA), na qual serão distinguidos os melhores participantes deste ano e a exibição do espectáculo de teatro“Ekatombe”, do projectoAffroThèâtro.

16/09/2022  Última atualização 06H35
Projecto AffroThèâtro exibe, hoje, a peça “Ekatombe” no encerramento do festival de teatro © Fotografia por: Edições Novembro

Segundo o programa a que o Jornal de Angola teve acesso, despois da exibição da peça de teatro, está prevista a intervenção da directora do CCBA, que vai proferir algumas palavras de boas-vindas aos presentes. Este ano, actores e agentes ligados ao movimento artístico e cultural que ao longo dos últimos anos se destacaram, em prol da preservação, valorização e divulgação, serão distinguidos com diplomas de mérito, numa iniciativa do Governo da Província de Luanda (GPL), inserida nas actividades do centenário do Primeiro Presidente da República e Poeta Maior, Agostinho Neto, que se comemoram amanhã, 17 de Setembro.

O programa do encerramento do CIT prevê, igualmente, as intervenções da direcção do festival e da Comissão Nacional para a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), assim como de um representante do GPL. Para animar a "festa do teatro”, o tenor Emanuel Mendes vai se apresentar em duas ocasiões, interpretando alguns temas da poesia de Neto musicalizados, bem como do seu repertório.

O tenor Emanuel Mendes, em 2015 e durante dois anos, fez parte do elenco residente do Teatro de Oldemburgo, conceituada casa de ópera da Alemanha. Professor de música, o seu nome está associado aos projectos Bantu Voices e Os Líricos, e é formado em canto lírico, pelo Instituto Superior de Arte de Cuba.

O último bloco está reservado às distinções dos grupos que participaram na sétima edição do CIT, numa iniciativa da organização. Este ano, o festival abrange as províncias do Bengo e Huíla.

Segundo a organização, esta edição do CIT fica marcada pela diversidade, ousadia e união entre os grupos de teatro nas escolhas dos temas em homenagem ao centenário do nascimento do Primeiro Presidente da República, Agostinho Neto, que se comemora amanhã, 17 de Setembro.

Esta edição do CIT abriu no dia 17 de Agosto, no Elinga Teatro, na Baixa da cidade de Luanda, com a exibição do espectáculo "Ekatombe”, do projectoAffroThèâtro.

O Kulonga Teatro foi o único grupo inscrito que não se exibiu, nesta edição do CIT, devido a morte do seu actor e director artístico, Afonso Dinis Amankwah, ocorrida no passado mês de Agosto, em Luanda. O grupo tinha preparado para a "festa do teatro”,  o espectáculo "Não Apaguem”.

  Grupos realçam o legado  de Neto em palco

O director-geral do projecto "Cultura para Todos”, promotora do CIT,Adérito Rodrigues "BI”, em declarações, ontem, ao Jornal de Angola, referiu que nesta edição participaram os grupos Elinga Teatro, com a peça "Amêsa ou a Canção do Desespero”,  Maxossi Teatro  "O Herói Inesquecível”,  GTO Angola "Palavra de Ordem”,  Alunos  do Complexo Escolar de Artes (CEART) "O Fim do Humanismo”, Horizonte Njinga Mbande "Encontro”, Bando Justiça e Artes "Loucas e Porcas”, Conjuntura de Artes "Fulana, Sicrana e Beltrana”, Dois 100 "Tempos e Contra Tempos”, Grutiji "Ensaiando Manguxi”,  Yetu a Yetu "As Freiras”, Catarcis Teatro "A Estatua na 1ª Pessoa”,  Fofartes "Não Ria, Recflita”, XabadaWiza "Quer Me Atrofiar”, Projecto Invasão Cénica "Cuidado Com o Cão” e Julu "Ainda o Meu Sonho”.

Exibiram, igualmente,espectáculos de teatro, este ano no CIT, os grupos EtuNgo com a peça "O Legado de Neto”, MulongiYaNbote, com "The Bombo isMolhed”, Nova Cena "Upica”, CIA Vela "Ilusões da Fé” e oprojecto AffroThéâtro "Ekatombe”. O grupo  G. T. Luzoartes fez uma retrospectiva do continente com a peça "Kutakani Africana”.

O Ndokweno Artes exibiu a peça "O Ditador Será Fatigado”,  o Kalunga Teatro encenou a peça "Rei Sem Coroa”. O grupo Kipapumunu exibiu uma peça sobre o processo de escravatura no continente africano, intitulada "Choro de África”, o Feloma Mussanzala apresentou "Pão da Memoria”, Bucos Produções "Não Há Sistema é Luanda”,  Twabixila com "Personagens Factos e Fotos”, enquanto o grupo Njila Teatro, com "Sonhos de Rua”. O grupo Agu Água Performance exibiu "Kilamba o Grito dos Pulmões”.

O Enigma exibiu a obra "Cangalanga a Doida dos Cahoios”,  o Nkailo Teatro, a peça "Reflexos”, o grupo Madiwano apresentou o espectáculo "Mantsanga Mama”,  o Desejados da Kianda, a peça "Má Informação Congénita”, Resgarte, com "Só Mais Um Dia”, o projecto Atelier D’Artes Lucengomono, com o espectáculo "Versos Diversos” e o Tunjinguenji exibiu "Vultos e Espinhos”.

O Kulonga Teatro foi o único grupo inscrito que não se exibiu, nesta edição do CIT, devido a morte do seu actor e director artístico, Afonso Dinis Amankwah, ocorrida no passado mês de Agosto, em Luanda. O grupo tinha preparado para a "festa do teatro”,  o espectáculo "Não Apaguem”.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura