Sociedade

Chuvas forçam famílias a abandonar residências

Maximiano Filipe | Benguela

Jornalista

Mais de 80 famílias que residem em zonas de risco, na comuna do Dombe Grande, município da Baía Farta, província de Benguela, estão a abandonar as residências, devido às fortes chuvas que se abatem sobre a região.

05/04/2021  Última atualização 12H02
Dados do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros dão conta do desabamento de 27 casas © Fotografia por: DR
Manuel Chimbiali, de 72 anos, residente na localidade há mais de 30 anos, explicou ao Jornal de Angola que os bairros Luacho, Canguengo, Canto, Cambongue, Calundo, bem como a povoação do Muhaningo estão completamente alagados e as vias de acesso intransitáveis.
"Tendo em conta os acontecimentos dos anos passados, em que centenas de famílias ficaram sitiados e casas destruídas, as populações estão a abandonar as residências, retirando apenas alguns haveres, porque temem o pior”, disse Manuel Chimbiali.

Acrescentou que o caudal do rio Cuporolo subiu e a corrente das águas continua a aumentar de intensidade, fazendo com que a população deixasse de fazer a travessia nas margens do rio, como era de costume, quando iam às lavras.

Referiu que vários equipamentos para actividade de agricultura, nomeadamente enxadas, catanas, machados, sementes de milho, tomate, mandioca, batata-doce, assim como grandes hectares com cebola, que poderia ser colhida na presente época agrícola (2021/2022) ficaram, de igual modo, destruídos pelas correntes de água. Dados provisórios do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros apontam para o desabamento de 27 casas e a destruição do tecto de cinco moradias nos bairros periféricos do Dombe Grande, cuja sede ficou parcialmente alagada, impossibilitando o trânsito automóvel e de peões.


Produção de tomate
Agricultores da comuna do Dombe Grande lamentam o facto de a localidade estar a ser assolada com uma doença estranha, que tem vindo a destruir, em grande escala, culturas de tomate, desde o passado mês de Janeiro.
Segundo o director da Associação para o Desenvolvimento Social e Ambiente Comunitário (ADSAC), António Cachilingo, a comuna conta com mais de 300 produtores, preocupados com os danos que a referida praga tem causado.

Sem apresentar números, o responsável avançou que a referida praga actua com maior frequência em épocas de calor e apenas tem como alvo as culturas de tomate, por ser uma planta bastante sensível e que exige maior cuidado.
O assunto já é do domínio dos técnicos do Gabinete Provincial da Agricultura, Pecuária e Pescas, que efectuaram um levantamento, para se aferir, em laboratórios específicos, o tipo de praga, para melhor poder combatê-la.

Acrescentou que muitos produtores optaram por produzir feijão, cebola, alho, hortícolas, prevendo-se, até o final do mês de Agosto, a colheita de várias toneladas.
De referir que o governador de Benguela, Luís Nunes, manteve um encontro, na semana finda, com os membros do Conselho de Auscultação das Comunidades locais, tendo garantido tudo fazer para melhorar as condições sociais da população.

O governante disse estar, para breve, o reassentamento das 300 famílias desalojadas do bairro das Salinas, que, há cerca de um ano, vivem em condições precárias, nas instalações provisórias do Magistério Primário de Benguela.
Garantiu que já existe um espaço de 13 hectares, onde poderão estar bem acomodadas e construir sem qualquer constrangimento, para viver de forma segura, longe de qualquer risco de vida.

O governante disse ser imprescindível resolver os principais problemas que afligem as comunidades, sendo esta uma marca que caracteriza o Executivo angolano, que, apesar dos momentos difíceis, procura tudo fazer para a satisfação das necessidades da população.

"Precisamos caminhar juntos e de mãos dadas, para que os problemas da população sejam resolvidos, sobretudo, no domínio da revitalização da produção agropecuária, saneamento básico, melhoria das estradas, limpeza das valas de drenagem, urbanização das zonas, iluminação pública e fornecimento de água potável”, concluiu o governador de Benguela.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade