Economia

CFL retoma transporte de gás para a província de Malanje

O Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL) retomou, ontem, a transportação de gás a granel para a província de Malanje, 30 anos depois.

20/09/2021  Última atualização 08H02
Comboio do Caminho-de-Ferro de Luanda (CFL) partiu as cinco horas da manhã de domingo © Fotografia por: Francisco Bernardo | Edições Novembro
Segundo uma nota de imprensa da empresa citada pela Angop, a composição tendo a cabeça uma locomotiva GE-C30-ACI transporta 440 metros cúbicos de gás, em 11 vagões cisternas, com capacidade de 40 mil litros cada um.
Segundo o CFL, o comboio partiu no domingo da estação dos Musseques em Luanda, às cinco horas, com destino a estação de Malanje.

"A última experiência significativa do transporte deste produto pelo Caminho-de-Ferro de Luanda remonta ao ano de 1988, tendo sido paralisado devido ao conflito armado”, lê-se na nota. Com a retoma deste serviço, o CFL prêve a realização regular deste tipo de comboio com uma periodicidade semanal.

Recentemente, à margem da apresentação e posse de uma nova administradora não-executiva do Caminho-de-Ferro de Luanda, o secretário de Estado para os Trans-portes Terrestres, Jorge Bengue, anunciou a intensificação dos trabalhos para o início da circulação das novas composições auto-motoras, destinadas ao transporte de passageiros e com capacidade de acomodar setecentos passageiros por viagem.

Na ocasião, foi anunciado que uma equipa conjunta constituída pelos Ministérios dos Transportes e das Finanças está a trabalhar para encontrar financiamento para reabilitar o problemático troço Zenza-Cacuso, 215 quilómetros que não foram reabilitados e que constituem o grande constrangimento para uma circulação eficiente e eficaz ao longo do corredor ferroviário de Malanje.

Jorge Bengue disse, por outro lado, para os próximos dias, um apoio financeiro suplementar do Estado para responder as necessidades urgentes em termos de manutenção e recuperação de algumas locomotivas, carruagens e diferentes tipos de vagões de forma a responder de modo afirmativo aos novos desafios que se colocam no que refere ao transporte de passageiros e carga, com a retoma da circulação interprovincial dos comboios de passageiros nos próximos dias e a intensificação do transporte de carga, sobretudo minério que começou a ser explorado na província do Cuanza-Norte.
Uma orientação dada a área Comercial foi no sentido de se imprimir maior dinâmica na busca de novos clientes.

  Fórum discute sobre "Transportes Sustantáveis”
Angola participa, em Outubro, durante três dias, da IIª Conferência das Nações Unidas sobre Transportes Sustentáveis, a ter lugar na cidade chinesa de Pequim, um evento híbrido, pois contará com presenças físicas e virtuais, da qual o ministro dos Transportes, Ricardo Viegas de Abreu, será um dos oradores.

O governante foi, formalmente, convidado a participar do evento no início deste mês, pelo seu homólogo da República da China, Li Xiaopeng, durante um encontro bilateral decorrido no Ministério dos Transportes em Luanda.
O evento decorre entre os dias 14 a 16 e inscreve, na sua agenda, um Fórum de Ministros de Transportes, que abordará questões relacionadas com transportes sustentáveis e conectividade, erradicação da pobreza, recuperação económica, trocas de pontos de vista e partilha de experiências entre nações.

A intervenção do ministro dos Transportes, Ricardo Viegas de Abreu, será em torno da "Sustentabilidade dos Transportes e Cidades Sustentáveis", que consta da 6ª Sessão Temática, propriamente no dia 16 de Outubro, terceiro e último dia de trabalho.

"É uma ocasião em que partilharemos o posicionamento do Governo sobre a matéria, a experiência que Angola colhe neste momento e avançaremos propostas concretas sobre sustentabilidade dos transportes e cidades sustentáveis”, disse o ministro a propósito.

O governante reconheceu a importância estratégica do relacionamento com a China, dos desafios demográficos e de crescimento económico dos países africanos, especialmente os situados na África Austral, da construção das infra-estruturas e da existência de um novo ciclo de partilha de riscos de investimento entre o sector público e privado, aberto com o Plano Director Nacional dos Transportes e de Infra-estruturas Rodoviárias.
"Contamos, em todo este esforço, com a parceria chinesa”, indicou. A segunda Conferência das Nações Unidas inscreve também o fórum sobre Ciência, Tecnologia e Inovação para Transportes Sustentáveis, dividido em três sessões temáticas e o Fórum sobre o Papel dos Negócios nos Progressos dos Transportes Sustentáveis.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia