Regiões

Centro Ortopédico sem Raio X precisa de dezenas de técnicos

Valter gomes| Uíge

A falta de um aparelho de Raio X tem estado a criar vários embaraços no atendimento aos pacientes que acorrem, diariamente, ao Centro Ortopédico e de Reabilitação Física de Negage, disse o director clínico da instituição.

21/08/2021  Última atualização 11H30
Centro Ortopédico do Negage com dificuldades para atender as necessidades de pacientes © Fotografia por: Kindala Manuel | Edições Novembro| Ankara
Nzinga Simão referiu que, desde a sua criação, em 1996, altura em que funcionava adstrita ao Hospital de Negage, o centro nunca teve serviços de Raio X, laboratório de análises clínicas e helioterapia, forçando a instituição a requerer esses serviços a outras unidades de saúde das províncias do Uíge e do Cuanza-Norte.

Às vezes, contou o director clínico do Centro Ortopédico, quando os pacientes chegam aos hospitais provinciais do Uíge e Cuanza-Norte, nem sempre encontram películas para obter a chapa.

Além do aparelho de Raio X, Nzinga Simão fez saber, ainda, que a unidade de saúde necessita de 90 técnicos, seis médicos de consultas gerais e especialistas em Fisioterapia Respiratória e Fala, Neurologia, Ortopedia e um psicólogo clínico, para atender à procura.

O centro funciona com 12 médicos, 48 técnicos, dos quais 20 efectivos e os restantes contratados. Do número de trabalhadores permanentes constam seis fisioterapeutas e cinco especialistas que trabalham na produção de próteses para a correcção, ajuste e acrescentar as partes dos membros deformados ou amputados.

Diariamente, a unidade atende mais de 70 doentes com diferentes patologias. A estatística do hospital mostra terem sido assistidos 4.045 doentes, entre os meses de Janeiro e Julho deste ano. São pacientes vindos do Uíge, Malanje, Cuanza-Norte e, até, de Luanda.

Nzinga Simão disse que o centro tem capacidade para 36 camas, sendo que a maioria dos doentes é atendida em regime ambulatório. Mas, a unidade possui recepção, consultório, salas de punção, infiltração lombar, ortopedia técnica e geral, fisioterapia, ginásio e uma farmácia.

A unidade médica especializada atende pacientes que apresentam, entre outras patologias, lombalgias, traumatismo, contusões, fracturas, artrite reumatóide, escoliose e outras complicações do fórum muscular e esquelético. 

Nas salas, estão equipamentos técnicos, como tapetes rolantes, mesas, máquinas para a produção de próteses e órtoses, camas, cadeiras de roda e outros.

Neste momento, aquela unidade sanitária do Uíge possui três viaturas, destas apenas uma ainda resiste ao tempo, tendo em conta que as duas estão inoperantes.

Produção de próteses e órtoses

A prótese é um meio de compensação para pessoas com deficiência física e pode ser usada entre três a quatro anos, dependendo do tipo de actividade que cada pessoa exerce.

Costuma ser um grande auxiliar para as pessoas que sofreram de amputações e propicia a adaptação de um novo modo de vida, ajudando no aumento da auto-estima e locomoção do paciente.

De Janeiro a Julho, os técnicos da área de próteses produziram 60 aparelhos, dos quais 33 plantilhas, cinco órtoses, 15 próteses tíbias e sete cafus.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões