Sociedade

Censo Geral da População de 2024 vai ser de qualidade

O secretário de Estado para as Autarquias, Fernando da Paixão Manuel, assegurou, terça-feira, no Dundo, que o Executivo, através da Comissão Multissectorial de Apoio à Realização do Censo Geral da População e Habitação, espera por uma informação estatística estrutural e de elevada qualidade, em função das condições até agora criadas.

12/06/2024  Última atualização 06H20
Fernando da Paixão Manuel (ao centro) orientou o seminário na Lunda-Norte e Sul © Fotografia por: DR

Ao intervir na abertura do Seminário sobre o Censo Geral da População e Habitação, dirigido às autoridades tradicionais e religiosas, jornalistas, líderes filiados no Conselho Provincial da Juventude, professores, e membros dos órgãos de Defesa e Segurança, o governante disse que a preparação dos recenseadores recrutados pelo Instituto Nacional de Estatística, com vista a realização de um trabalho de sucesso, é uma das principais prioridades do Governo neste momento.

Fernando da Paixão Manuel referiu também que para uma operação estatística a tarefa de sensibilização, educação cívica, mobilização e comunicação incumbe a todas forças vivas da sociedade, a quem se exige engajamento, com realce aos jornalistas e outros fazedores de opinião, que jogam um "papel de relevância” no processo de transmissão de conhecimentos.

Para o Executivo, disse, a Comunicação Social tem a responsabilidade de facilitar a veiculação da mensagem e esclarecimentos necessários sobre o Censo Geral da População e Habitação, que arranca no dia 19 de Julho em todo o território nacional.

Os jornalistas e outras forças vivas da sociedade na Lunda-Norte que participaram do seminário têm, igualmente, a tarefa de conferir credibilidade ao processo, por via dos meios de comunicação tradicionais, como jornais, rádios, televisões e agências, incluindo os outros instrumentos, cristalizados pelas redes sociais e plataformas digitais, considerou.

Fernando da Paixão Manuel sublinhou que, para o efeito, é necessária uma preparação cuidada, conducente à mobilização e cobertura positivas que constituam valores para que o Censo Geral da População e Habitação venha a ter o impacto esperado junto das populações.

O Estado, segundo ainda o secretário de Estado, espera, igualmente, uma colaboração das autoridades tradicionais, líderes religiosos e juvenis, tendo em atenção o seu valor simbólico no seio das comunidades em que se encontram inseridas.

Ainda ontem, o secretário de Estado para as autarquias presidiu a um outro seminário sobre o Recenseamento Geral da População e Habitação, decorrido em Saurimo, Lunda-Sul. Na abertura, Fernando da Paixão Manuel convidou todos a tomarem parte, com sentimento de pertença, no exercício que arranca no dia 19 de Julho.

O governante reafirmou a necessidade de todos agirem como activistas comprometidos com o bem-estar colectivo, colaborando em todas as etapas do Censo, para o alcance das metas previstas.

Aos membros dos órgãos de Defesa e Segurança Fernando da Paixão Manuel espera que estes sensibilizem os colegas para a necessidade da participação no Censo. "A tarefa é difícil, mas não impossível, principalmente se houver união de todas as forças vivas da nação”, encorajou.


Previsão para a Lunda-Norte

As projecções do Instituto Nacional de Estatística (INE) apontam para o recenseamento de mais de um milhão de pessoas na província da Lunda-Norte, durante o Censo Geral da População e Habitação, que arranca a 19 de Julho e que se deve estender por um mês. No Censo realizado há dez anos, foram recenseados 862.566 habitantes.

De acordo com o chefe dos serviços provinciais do INE na Lunda-Norte, Leão Cazadi, o Censo Geral da População e Habitação nesta província vai ser assegurado por 2.800 agentes que, nos próximos dias, começam a ser formados em matérias de recolha de dados e outros aspectos.

Em termos globais, disse, o mapa cartográfico da Lunda-Norte tem o registo de 3.400 secções censitárias, entre as quais algumas de difícil acesso. Para se atingir estas localidades, o INE vai contar com o apoio dos meios aéreos das Forças Armadas Angolanas.

Armando Sapalo / Dundo e Kamuanga Júlia | Saurimo    

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade