Política

Cassamá nega crispação entre Angola e Guiné-Bissau

O presidente da Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá, afastou, sexta-feira, a existência de qualquer clima de crispação entre o seu país e Angola.

18/07/2021  Última atualização 07H35
Presidente da Assembleia Nacional Popular da Guiné-Bissau, Cipriano Cassamá © Fotografia por: DR
Em declarações à imprensa, no final de um encontro com o presidente do Parlamento angolano, Fernando da Piedade Dias dos Santos, o dirigente guineense afirmou que "Angola sempre foi e continuará a ser um parceiro inquestionável para a Guiné-Bissau”.
"As relações político-diplomáticas são boas, de amizade, irmandade e, sobretudo, históricas”, enfatizou, afirmando ter sido, neste âmbito, que abordou com o homólogo angolano as relações entre os parlamentos dos dois países.

Segundo alguns analistas, um sinal de que as relações entre Angola e a Guiné-Bissau são boas é a presença do Presidente guineense, Umaro Sissoco Embaló, em Luanda, onde participou, ontem, na XIII Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).
Cipriano Cassamá também veio a Luanda para participar na Cimeira, na qualidade de presidente da Assembleia Parlamentar (AP) da CPLP.

No encontro com o presidente do Parlamento angolano, Cassamá transmitiu as recomendações e conclusões da reunião da AP-CPLP, decorrida, recentemente, em Bissau.
A instalação do Secretariado Executivo da AP-CPLP, em Luanda, também foi aflorada no encontro.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política