Regiões

Casos de abuso sexual devem ser denunciados 

Fernando Neto | Mbanza Kongo

Jornalista

Mais de 100 alunos da 7ª a 9ª classes no Colégio 11 de Novembro, na cidade de Mbanza Kongo, província do Zaire, foram incentivados a denunciar casos de abuso sexual, para que as autoridades possam agir. 

28/11/2022  Última atualização 08H09
Alunos exortados a conversar mais com os pais sobre sexualidade © Fotografia por: Fernando Neto | Edições Novembeo | Mbanza Kongo

O apelo foi feito, na sexta-feira, pelo chefe dos Serviços Provinciais do Instituto Nacional da Criança (INAC), Rafael Kidiwa, durante uma palestra promovida pelo secretariado provincial da Organização da Mulher Angolana (OMA). 

Rafael Kidiwa, convidado a dissertar o tema "Consequências do abuso sexual a menores”, apelou a sociedade a elevar a cultura de denúncia, como forma de facilitar a intervenção das autoridades e banir o fenómeno, uma vez que 90 por cento de casos acontece no seio familiar ou no bairro. 

"Os casos de abuso sexual contra menores na nossa região são preocupantes, porque a maior parte ocorre no seio familiar e é ocultada. Muitas vezes a família resolve o caso através da aplicação de multas ao prevaricador, convertidas em elevadas quantidades de grades de cerveja e valores monetários. Por esta razão, apelamos a sociedade a denunciar através da linha 15015 todas as situações de violação dos direitos da criança, no sentido de juntos banirmos esse mal”. 

O palestrante chama a atenção em relação à forma como os predadores sexuais, sejam eles pais, tios, avôs, professores ou pastores, atraem as vítimas, oferecendo valores monetários e bens materiais, normalmente seguidos de ameaças de morte aos progenitores da vítima caso esta o denuncie. 

"Notamos que alguns adolescentes, entre 12 e 17 anos, recebem dinheiro e outros bens de adultos em troca de favores sexuais, comportamento que acarreta consequências, como a gravidez precoce, traumas psicológicos e doenças sexualmente transmissíveis, incluindo o VIH/Sida. Só para terem uma ideia, este ano, o INAC registou 17 casos de abusos sexuais contra menores, com idades entre os cinco aos 14 anos, enquanto no período homólogo foram 22 casos, sem contar com os não denunciados”, disse. 

O chefe do INAC no Zaire alertou, ainda, para os casos em que algumas adolescentes são obrigadas a casar-se, depois de terem sido vítimas de abuso sexual. 

"Os abusos sexuais também são causas de desestruturação familiar e de crianças de ou na rua. Quanto à prevenção ou combate ao fenómeno, devemos incentivar as denúncias às autoridades competentes, sempre que uma criança ou adolescente for alvo de sedução ou toque nos órgãos íntimos”, alertou. 

Por outro lado, o palestrante lamentou, ainda, o facto de muitos adultos, actualmente, assumirem comportamentos sem a observância de valores morais, fundamentais à sã convivência de uma sociedade. 

"Já recebemos casos de pais que violaram as filhas, alegando terem sido alvo de forças ocultas. Estas situações escapam à compreensão da ciência, porque, antigamente, era raro ouvir que um pai se envolveu com a sua filha. Antigamente, os pastores eram vistos como servos de Deus, eram pessoas humildes e trabalhavam em prol da comunidade, mas hoje perdeu-se a confiança a estes homens, assim como aos professores, tios e avôs”, lamentou o orador. 

A adolescente Luzolo Nicolau, 14 anos, aluna da 9ª classe no Colégio 11 de Novembro, confessou ter sido seduzida por um tio acolhido em sua casa pelos seus pais e ficou, na altura, sem saber com quem desabafar ou onde denunciar.

"Gostaria de saber mais sobre como denunciar casos de abuso sexual que acontecem no seio familiar. Quando fui assediada por um tio, que foi acolhido em nossa casa, fiquei sem saber onde recorrer”, disse a aluna, para quem os agressores devem ser exemplarmente punidos. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Regiões