Economia

Carrinhas transportam seis toneladas por viagem

Arão Martins | Lubango

Jornalista

As 500 carrinhas que estão a ser distribuídas, em todo o país, pelo Ministério da Indústria e Comércio têm uma capacidade estimada de transportar seis toneladas de produtos diversos por viagem, podendo, deste modo, acumular mais de duas mil toneladas ao ano ou o dobro se no caso efectuarem um mínimo de duas viagens/dia.

21/07/2021  Última atualização 07H00
Pelo país estão a ser distribuídas 500 viaturas para facilitarem o comércio e distribuição © Fotografia por: Arão Martins | Edições Novembro – Huíla
Estes cálculos foram revelados, ontem, pelo director nacional do Comércio Rural do Ministério da Indústria e Comércio, Allan Varela Ramos, que estimou em mais de 70 mil toneladas de produtos diversos por escoar, anualmente, pelos 31 operadores do comércio rural apurados, na província da Huíla.

Ao testemunhar o acto da divulgação das carrinhas, Allan Varela Ramos destacou o potencial da Huíla na produção de cereais, hortícolas e tubérculos. Segundo afirmou, cada viatura tem capacidade de transportar seis toneladas. "Se considerarmos uma viagem por dia, teremos mais ou menos 70 mil toneladas de produtos diversos a serem transportadas anualmente e a capacidade aumenta ao efectuar mais de uma viagem/dia”.

O governante mostrou-se satisfeito com a presença de cinco mulheres entre os apurados pelo concurso, o que representa, no seu entender, o empoderamento da mulher. Adiantou que o objectivo é distribuir as carrinhas em Agosto para o início da actividade.
Allan Varela Ramos reconheceu que as viaturas são camiões robustos com uma estrutura técnica aceitável, justamente para operarem naquilo que é o domínio do comércio rural do país.

Estas mesmas viaturas, de acordo com o director, foram adquiridas pelo Estado e estão a ser subvencionadas na ordem dos 76 por cento. "Estamos a ter um cálculo médio de gasto por cada viatura na ordem dos 40 milhões de kwanzas, mas os operadores vão pagar apenas, durante 4 anos, sensivelmente, 9 milhões e 600 mil kwanzas, o que corresponde a 24 por cento do custo total desses camiões”, clarificou, sublinhando que é prova evidente da preocupação do Executivo em resolver os problemas da produção nacional. Anunciou também que as viaturas vão ter números fixados para denúncias, por destinar-se única e exclusivamente para o escoamento da produção nacional.

Allan Varela Ramos aproveitou recordar que, conforme o Decreto Presidencial, basta falhar numa prestação de 200 mil kwanzas por mês, o operador perde automaticamente o direito do usufruto das viaturas que vão ter o serviço de GPS, e fiscalização diária, abrangendo todas as 500 viaturas em distribuição a nível nacional.


  Huíla divulga os concorrentes vencedores

Ao todo, 31 comerciantes dos 101 candidatos participantes ao concurso de selecção de Operadores de Transportação de Mercadorias do Comércio Rural (OTM) foram apurados a receber as carrinhas, no âmbito do escoamento da produção agrícola e desenvolvimento do comércio rural, na província da Huíla.

De acordo com o delegado provincial da Justiça e dos Direitos Humanos, Lisender André, também ele membro da comissão do júri do concurso, participaram do concurso pessoas colectivas e individuais dos municípios de Chicomba, Caconda, Caluquembe, Matala, localidades que vão receber três viaturas cada, enquanto os municípios de Quipungo, Cacula e Chibia, recebem duas viaturas cada. Os municípios de Quilengues, Chipindo, Jamba e Cuvango, vão receber uma viatura cada.
Já os municípios do Lubango, Humpata e Gambos estão isentos da atribuição de carrinhas em função da sua posição geográfica, relativamente aos centros de escoamento e produção.

Para o director provincial do Gabinete de Desenvolvimento Económico Integrado da Huíla, Manuel Machado Quilende, a comissão de apuramento dos vencedores foi idónea e ven- ceram os concorrentes que já trabalham na transportação de mercadoria.
Manuel Quilende disse que as carrinhas vão servir para reforçar a actividade da aquisição dos meios da produção no meio rural para os centros de comercialização.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia