Economia

Camponeses perspectivam boas colheitas

José Chaves/Andulo

Os camponeses do município do Andulo, na província do Bié, prevêem colher, durante a campanha agrícola 2023/2024, mais de 400 mil toneladas de produtos diversos.

19/06/2024  Última atualização 10H30
Agricultura familiar abastece com fartura o mercado regional © Fotografia por: José Chaves | Edições Novembro

A quantidade prevista supera as 267 mil colhidas no período anterior, segundo anúncio feito, ontem, pelo director municipal da Agricultura e Pesca do Andulo.

Paulo Chissonde referiu que, este ano, os camponeses apostaram na plantação do milho, feijão, soja, amendoim, batatas rena e doce, mandioca, frutas e hortícolas diversas.

As plantações foram feitas, maioritariamente, por 51.897 famílias camponesas, numa área de 83.203 hectares, isso nas comunas de Chivaulo, Cassumbi, Calussinga e na sede do município do Andulo.

A produção envolve também os camponeses filiados em 60 cooperativas, 210 escolas de campo e 441 associações, que já praticam a agricultura para fins comerciais, visando garantir o desenvolvimento sócio-económico do município.

Paulo Chissonde informou que as famílias camponesas estão também a desenvolver a piscicultura, para a diversificação da dieta alimentar. Localmente, disse, os camponeses têm recebido vários apoios para aumentarem a produção, no âmbito do programa de combate à pobreza. Por essa razão, admitiu o director, existe a nível da região um aumento significativo de produção de diversas culturas alimentares, resultado do esforço do Executivo na criação de programas de apoio às famílias camponesas.

"A nível do município do Andulo, temos uma actividade camponesa satisfatória, mas faltam meios de transporte para o escoamento dos produtos do campo para os principais mercados da província e do país”, disse.

O responsável considerou o Andulo como um bastião estratégico da produção de alimentos na província, sobretudo em relação ao milho, feijão e ginguba.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia