Reportagem

Camacupa procura terraplanagem com dinheiro que lhe foi destinado

Armando Estrela

A Administração de Camacupa está a terraplanar os 140 quilómetros que ligam a sede do município (Camacupa) às comunas de Cuanza, Ringoma, Umpulo e Muinha, no quadro do Programa Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM), de acordo com o administrador local, José Loupinho.

28/06/2021  Última atualização 08H20
© Fotografia por: DR
Camacupa tem os programas do PIIM "num bom caminho”, segundo o administrador. Actualmente, o município tem em execução duas escolas, sendo uma de sete salas de aula e outra de 12 salas. Para cada um desses projectos, foram já liquidados os primeiros 15 por cento do contrato, bem como a segunda prestação.


Ainda assim, a empreitada para a escola de sete salas é feita ao "passo de camaleão”, já que o empreiteiro tem dificuldades em levar para a localidade o material necessário, por força da distância e do mal estado da via.


Nove projectos, dos quais um em acção, foram aprovados este ano para o município de Camacupa, no Centro do país. Entre os projectos inscritos no PIIM, aparece o de colocação de asfalto nos 12 quilómetros que representam o casco urbano da sede municipal, isto é, a colocação de asfalto em todas as ruas degradadas da sede municipal.


José Loupinho diz que apesar de a empresa se ter já instalado em Camacupa, a recuperação da vila está estagnada, uma vez que, ao empreiteiro, ainda não foram alocados os 15 por cento exigidos para o início de uma obra inscrita no PIIM. O administrador tem fé que tão logo seja accionado o valor, as obras arrancam.


Além dessa valiosa obra por começar, há outra de 12 salas de aula, já concluída e em funcionamento, que estava adjudicada ao Governo Provincial do Bié e que, por força do PIIM, foi transferida para o município. O saneamento básico da sede de Camacupa é apoiado por 100 jovens, que encontraram o primeiro emprego numa empresa que presta estes serviços.


A emblemática cidade do Centro de Angola tem como um dos maiores "Calcanhares de Aquiles” as vias de comunicação. O Centro angolano dista 75 quilómetros da cidade do Cuito, a sede da província do Bié. Camacupa tem cinco comunas (comuna sede, Muinha, Cuanza, Ringoma e Umpulo) e todas têm as estradas degradas. Por exemplo, para percorrer os 75 quilómetros entre o Cuito e Camacupa, e vice-versa, são necessárias duas horas e meia, no mínimo, em época de cacimbo.


Contudo, José Loupinho sente-se mais animado, já que, "felizmente, todas as comunas tiveram projectos do PIIM e só em Muinha não se faz sentir, porque o projecto de terraplanagem não arrancou”. Os projectos em curso são a terraplanagem dos 40 quilómetros que ligam a sede municipal à comuna do Cuanza e uma outra de terraplanagem de 50 quilómetros, liquidada em 15 por cento, que liga a sede à comuna do Ringoma.


A terraplanagem do troço de 50 quilómetros, que liga Ringoma ao Umpulo, foi lançada a 8 de Janeiro e os trabalhos ainda decorrem, uma vez que o empreiteiro desenvolve trabalhos em duas frentes, sendo a outra entre Camacupa-sede e Cuanza. O administrador já admitiu atrasos no arranque das obras da segunda ligação.


Programa de Desenvolvimento Local

Programa de Desenvolvimento Local e Combate à Pobreza é um dos suportes locais de bandeira, que assegura algumas acções da Administração do Município de Camacupa, pois, admitiu José Loupinho, "não dizemos que é para erradicar ou acabar com a pobreza, mas, para minimizar algum sofrimento que a população vive”.

Para esse programa, Camacupa definiu duas essenciais direcções, sendo uma para os "Cuidados Primários de Saúde”, através do qual compram-se medicamentos, reabilitam-se algumas infra-estruturas, compram-se kits para as parteiras tradicionais, bem como kits e asseguramento de subsídios para os que recolhem informações sobre saúde nas comunidades. Ainda nos programas dirigidos à saúde apoiam-se, também, as acções de vacinação e a alimentação dos enfermeiros que trabalham em Postos de Saúde.


Combate à pobreza

No campo do "Combate à Pobreza”, a Administração deu prioridade à profissionalização da juventude que precisa do primeiro emprego. Para esse fim são realizados seminários de capacitação e, posteriormente, distribuídos kits, que não só beneficiam os jovens que carecem do primeiro emprego, como os ex-militares. Para estes, são entregues kits de serralharia, carpintaria, corte e costura, culinária e pastelaria. Também é dado apoio aos ex-militares que queiram praticar a agricultura.

No sector da Agricultura, a Administração Municipal prevê, ainda este ano, a certificação gratuita das associações identificadas, já que "é sobejamente conhecido que o nível de pobreza em Camacupa é bastante avançado”, observou José Loupinho. "Eles criam associações e muitas das vezes não têm dinheiro para legalizar as suas associações ou cooperativas. Por isso, através do ‘Combate à Pobreza’ temos um eixo próprio, que nos possibilita ajudar as associações”, avançou.
"Ajudamos a legalizar e depois da legalização eles próprios conseguem trabalhar e vão buscar os seus créditos para se manterem”, rematou.


No projecto de "Combate à Pobreza”, a Administração apoia algumas associações com enxadas, catanas, fertilizantes, para as mesmas aumentarem a produção. Nesse programa, também há o de construção de uma escola com 7 salas de aula, numa das comunidades em que as crianças ainda estudam debaixo de árvores.


Para este ano, há ainda nesse programa a aquisição e construção de alpendres para colocação de moagens para os ex-militares. "Estamos a prever cerca de cinco moagens de milho, sendo uma em cada comuna do município, para permitir que algumas comunidades deixem de pisar milho em pedras”, disse José Loupinho. 


Camacupa continua a ser um potencial na produção de milho. Além dos grandes produtores tradicionais e de pequenos produtores, junta-se aos melhores indicadores de produção de cereais a Fazenda Agro-Pecuária afecta às Forças Armadas Angolanas, que este ano cultivou perto de mil hectares, sobre os quais foram já colhidas, por a safra continua, perto de seiscentas toneladas de milho, apesar da estiagem, que foi um dos males que reduziu, em grande, a capacidade de produção do presente ano agrícola.


Dentro do "Combate à Pobreza”, a Administração de Camacupa pretende colocar oito manivelas de água nas localidades mais carentes e recuperar acima de 60 pontos de água feitos anteriormente, no quadro desse programa e que ficaram avariados. "Nesta altura, estamos a trabalhar na recuperação de mais de 80 manivelas”, concluiu José Loupinho.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Reportagem