Desporto

Cães Selvagens da Guiné cruzam o ninho das Águias

António Félix

Jornalista

As Super Águias da Nigéria, com o seu lugar já assegurado nos oitavos-de-final, tem a partir das 17h00 desta quarta-feira (19), no Estádio Roumdé Adjia, em Garoua, uma partida para relaxar diante dos Cães da Guiné Bissau.

19/01/2022  Última atualização 04H10
A Nigéria orientada pelo técnico Owen Eguavoen reconhece o potencial da Guiné-Bissau © Fotografia por: DR
Ainda que percam neste jogo que conta para a terceira e última jornada do Grupo D, a qualificação não ficará abalada, porque apenas se passam duas e, neste sentido, a outra vaga fica sob a cobiça do Egipto, Guiné-Bissau e Sudão.
Apesar disso o treinador da selecção nigeriana, Augustine Owen Eguavoen, falando para a imprensa do seu país, deixou claro que não tem motivos para menosprezar a  Guiné-Bissau, e, por isso, evitará abordar o jogo de forma despreocupada.
O técnico considera que os Cães Selvagens da Guiné-Bissau, com a possibilidade de ainda somarem três pontos e a espreitar por eventuais  "desaires" do Egipto e Sudão, tudo farão em campo, ainda que "comam relva", como se diz, para depenarem as Super Águias. Estas passaram antecipadamente para os oitavos-de-final devido à vitória sobre Egipto e Sudão nas suas duas primeiras partidas, mas hoje usarão a sua boa estratégia técnica e táctica para escaparem no ardil que os Cães Selvagens estão a projectar.
Owen Eguavoen, falando para o jornal nigeriano The Guardian, foi assertivo: "É importante, para nós, mantermos a mentalidade vencedora,  é imperioso mantermos as nossas cabeças nos nossos ombros. Assim como eu disse aos meus rapazes após a partida contra o Egipto, ainda não ganhámos nada, excepto pontos. A Guiné-Bissau precisa dos três pontos, porque tem apenas um até agora, temos de estar preparados para uma luta titânica em campo".
 "Se baixarmos a guarda, poderemos perder, e isso não será psicologicamente bom para a nossa selecção, temos de jogar para terminarmos na primeira posição de forma invicta", acrescentou àquele jornal.  O treinador falou do empate (0-0) da Guiné-Bissau com o Sudão e da derrota (0-1) com o Egipto onde os Cães Selvagens não deixaram Mohamed Salah jogar como sabe.
 Por esta razão tirou a seguinte nota: "Com um pouco mais de sorte, eles poderiam ter vencido o Sudão e empatado com o Egipto. Têm um tipo de jogo que enfrentaremos nesta quarta-feira. Ninguém vai me dizer que eles são simples", acrescentou.
 O próprio treinador das Super Águias quer, de modo individual, cimentar, neste jogo, uma proeza jamais conseguida pelos seus antecessores. Aos 56 anos, é o único técnico a treinar a Nigéria com três jogos ganhos numa fase de grupos do CAN, desde que a selecção do seu país começou a participar neste nível desde 1963.   De resto o avançado, Samuel Chukwueze, do Villarreal de Espanha, depois de vencer a Liga Europa, sonha com uma vitória no jogo de hoje, para a selecção fortificar a crença na luta pela conquista do título.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Desporto