Mundo

Burkina Faso: Líder deposto da Junta Militar procura refúgio no Togo

O líder da Junta Militar do Burkina Faso, afastado sexta-feira num novo golpe de Estado, Paul Henri Sandaogo Damiba, abandonou, domingo à noite, o país com destino ao Togo, enquanto a nova Junta pediu calma aos cidadãos.

04/10/2022  Última atualização 09H50
Paul-Henri Sandaogo Damiba deixou domingo o Burkina Faso após assinar a carta de demissão © Fotografia por: DR

A partida de Damiba foi confirmada por dois diplomatas que falaram com a Associated Press (AP) sob condição de anonimato devido à sensibilidade do assunto. Segundo a agência norte-americana, desconhece-se se o Togo é o destino final de Damiba. Damiba já antes de viajar apresentara a demissão, ao fim de dois dias a recusar renunciar.

A saída de Damiba fora exigida na capital, Ouagadougou, por centenas de manifestantes que se pronunciaram a favor da chegada ao poder do capitão Ibrahim Traoré, que se autoproclamou novo líder da Junta Militar.

Após a mediação entre os dois rivais, conseguida por líderes religiosos e comunitários, "o próprio Presidente Paul-Henri Sandaogo Damiba propôs a renúncia, para evitar confrontos com graves consequências humanas e materiais”, pode ler-se num comunicado de imprensa assinada por várias figuras relevantes do Burkina-Faso.

O golpe de Estado de sexta-feira é o segundo este ano e eleva os temores de que o caos político distraia as atenções de uma insurgência radical islâmica que já matou milhares e forçou dois milhões de pessoas a fugir.

Além de prometer não prejudicar ou julgar Damiba, Traore e a nova junta comprometeram-se a respeitar os compromissos já feitos pela junta anterior à comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Damiba, que chegou ao poder através de um golpe militar em Janeiro, tinha acordado com a organização regional realizar eleições até 2024. Num comunicado, a CEDEAO disse que enviaria uma equipa de mediadores para Ouagadougou na segunda-feira, incluindo o ex-Presidente nigerino Mahamadou Issoufou.

O comunicado, assinado pelo Presidente da Guiné-Bissau e presidente em exercício da CEDEAO, Umaro Sissoco Embalo, dizia que Damiba tinha resignado "para evitar um confronto violento e o possível derramamento de sangue”.

Ao início do dia, a nova junta pediu o fim da agitação que tomou conta da capital após o golpe de sexta-feira. Numa declaração emitida pela televisão estatal, o representante da junta, Kiswendsida Farouk Azaria Sorgho, apelou ao povo para "desistir de qualquer acto de violência e vandalismo”, especialmente aqueles contra a Embaixada da França ou a base militar francesa.

O sentimento anti-França aumentou fortemente após a nova junta alegar que Damiba estava abrigado numa base militar francesa após ser afastado do poder. A França negou veementemente as alegações, mas os populares rapidamente se concentraram junto à Embaixada francesa em Ouagadougou.


Damiba acusado de se desviar do Movimento Patriótico

Um grupo de militares , liderados pelo capitão do Exército do Burkina Faso Ibrahim Traoré, levou a cabo, na sexta-feira, um golpe de Estado e derrubou o líder da Junta Militar que governava o país, o tenente-coronel Paul-Henri Sandaogo Damiba.

Em mensagem dirigida à nação, transmitida pela televisão estatal RTB, os protagonistas do último golpe de Estado no país acusaram Damiba de se desviar do ideal do Movimento Patriótico para a Salvaguarda e a Restauração (MPSR), nome da junta que assumiu o poder na sequência de um outro golpe de Estado, a 24 de Janeiro.

O balanço provisório oficial apontava para 11 mortos, 28 feridos, entre militares, voluntários que apoiam as Forças Armadas e civis e cerca de 50 civis desaparecidos.

O Burkina Faso tem sofrido ataques de extremistas islâmicos frequentes desde Abril de 2015, cometidos por grupos ligados tanto à Al-Qaeda como ao grupo Estado Islâmico, cujas acções afectam 10 das 13 regiões do país.

Em Novembro de 2021, um ataque a um posto de ‘gendarmerie’ causou 53 mortos (49 ‘gendarmes’ e quatro civis), o que levou a uma agitação social generalizada que resultou em fortes protestos exigindo a demissão do Presi-

dente Roch Marc Christian Ka-boré. Alguns meses mais tarde, em 24 de Janeiro, os militares liderados por Damiba tomaram o poder num golpe de Estado – o quarto na África Ocidental desde Agosto de 2020 – e depuseram o Presidente.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo