Mundo

Burkina Faso: CEDEAO anuncia cimeira virtual

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) vai realizar esta sexta-feira (28) uma cimeira extraordinária em formato virtual, para discutir a crise no Burkina Faso, na sequência do golpe militar que derrubou o Presidente Roch Kaboré.

26/01/2022  Última atualização 18H34
© Fotografia por: DR

A CEDEAO, de que o Burkina Faso é um Estado-membro, condenou na segunda-feira a tomada do poder por oficiais do exército, que mantêm Kaboré detido.

A cimeira virtual extraordinária terá início às 10:00 GMT de sexta-feira (mesma hora em Lisboa), afirma a declaração.

O presidente destituído continua sob custódia do exército, mas "está fisicamente bem", informou um elemento do seu partido hoje, dois dias após o golpe militar que o derrubou e condenado veementemente pela comunidade internacional.

Ele está "ainda nas mãos do exército", "numa residência presidencial em prisão domiciliária", segundo a fonte do seu partido, Movimento Popular para o Progresso (MPP), em declarações à agência France-Presse (AFP).

A fonte, que a agência de notícias francesa não identifica, acrescentou que Kaboré "está fisicamente bem" e tem "um médico à sua disposição".

Roch Marc Christian Kaboré foi derrubado por um corpo militar liderado por um tenente-coronel, Paul-Henri Sandaogo Damiba, que lidera agora o chamado Movimento Patriótico para a Salvaguarda e Restauração (MPSR).

A insurreição militar começou no domingo em vários quartéis no país, incluindo na capital burquinabê, Ouagadougou, a seguir a uma manifestação que fez sair à rua milhares de protestantes contra insegurança criada pela violência de vários grupos extremistas islâmicos e pela incapacidade das forças armadas do Burkina Faso responderem a um problema que se agrava desde 2015, precisamente o ano da chegada de Kaboré ao poder.

O MPSR começou por anunciar a dissolução ou suspensão das instituições da República, bem como o encerramento das fronteiras aéreas do Burkina Faso, mas estas foram reabertas logo na terça-feira, tal como as fronteiras terrestres para certos produtos, o que parece indicar que a junta militar no poder não tem medo de um "contra-ataque" e está a controlar os vários corpos do exército.

Sandaogo Damiba, um especialista na luta contra os grupos 'jihadistas', nomeadamente Al-Qaida e Estado Islâmico, tinha reuniões previstas para esta tarde com a hierarquia do exército, assim como com altos funcionários da administração pública para discutir assuntos correntes, enquanto o país aguarda a formação de um novo governo.

O golpe no Burkina, que sucede aos golpes no Mali e na Guiné-Conacri, foi condenado pela comunidade internacional, que exige a "libertação imediata" do Presidente derrubado.

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo