Economia

Brasil: Taxa de desemprego no Brasil cai para 8,3 por cento

A taxa de desemprego no Brasil ficou em 8,3 por cento, no mês de Outubro, sendo este o valor mais baixo desde Abril de 2015, anunciou, esta quarta-feira, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

01/12/2022  Última atualização 06H50
Taxa de desemprego no Brasil cai para 8,3 por cento © Fotografia por: DR

O dado registado entre Agosto a Outubro indicou um recuo de 0,8 pontos percentuais face ao período de Maio a Julho deste ano, o menor desde 2014 quando o desemprego atingia 9,1 por cento da população brasileira economicamente activa, e menos 3,8 pontos percentuais face ao mesmo período de 2021 (12,1 por cento).

"Este momento de crescimento de ocupação (alta do emprego) já vem em curso desde o segundo semestre de 2021. Com a aproximação dos últimos meses do ano, período em que historicamente há aumento de geração de emprego, a tendência mantém-se", afirmou Adriana Beringuy, coordenadora da sondagem do IBGE. O número de pessoas à procura de emprego no Brasil caiu para 9 milhões em Outubro, o menor nível desde Julho de 2015 e 30,1 por cento menos do que no mesmo mês do ano passado (12,9 milhões de desempregados).

Já o número de pessoas com contrato formal de trabalho atingiu o recorde de 99,7 milhões no trimestre encerrado em Outubro graças à geração de 5,7 milhões de novos postos de trabalho no ano passado.

O órgão responsável pelas estatísticas do Governo brasileiro também revelou que a taxa de informalidade no Brasil, ou seja de pessoas a trabalhar sem contrato de trabalho, caiu de 40,7 por cento da população ocupada no trimestre encerrado em Outubro de 2021 para 39,1 por cento no mesmo período deste ano.

"Esse índice segue em alta há mais de um ano, o que mostra não apenas que o mercado de trabalho está em expansão numérica de ocupados, mas também apresentando algum crescimento na formalização da população ocupada", concluiu a pesquisadora Adriana Beringuy.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia