Cultura

Botto Trindade e Raúl Tollingas distinguidos por amantes da música

Analtino Santos

Jornalista

Botto Trindade e Raul Tollingas foram distinguidos no projecto Intimista da Brasom, por amantes da música angolana, na noite de sexta-feira, com o suporte do Conjunto Dizu Dietu, num convívio no qual se juntaram Voto Gonçalves, Mister Kim e Brando Cunha.

28/11/2022  Última atualização 11H03
Instrumentistas uniram o solo da guitarra ao da dikanza © Fotografia por: DR

No momento mais aplaudido do concerto, Ilídio Brás, chamou Dionísio Rocha Júnior  "Diny do B.O”, um amante e entusiasta da música angolana, para oferecer um quadro para cada um dos artistas pelo reconhecimento dos feitos dos dois artistas.

Em palco, Botto Trindade tocou temas autorais e instrumentais que o influenciaram. Para abertura da sua actuação reservou "Benguela Libertada”. Durante o concerto ainda desfilou "Inspiração”, "Troubadores”, "Ta-

pioca”, "Memória de Guy” e "Merengue Fafá”, no alinhamento não passaram despercebidos os instrumentais da época dos Bongos do Lobito. Brando Cunha foi o guitarrista convidado e brindou em "Agarrem” e partilhou com Botto Trindade no tema "Obrigado amigo”.

Raul Tollingas desfilou a sua versatilidade artística, na dikanza, na concertina e no canto, onde se fez ouvir em "Nzala”, "Meninas de Hoje” e em "Mana”, o ápice do encontro entre os solos da dikanza e guitarra. Em "Rebita”, o homem da massemba soltou-se numa noite onde o guardião da dikanza, mais uma vez, revelou-se como Showman. Raquel Lisboa, corista, teve um momento interpretando Belita Palma.

Voto Gonçalves, amigo e convidado, apresentou-se bastante animado com passagens pela fase revolucionária em "Koleno África” e "Ngola Yetu”, depois interpretou os sucessos "Caminho Incerto” e fez dançar em "Za Kumba”.

Mister Kim, outra voz, interpretou Carlos Burity, o primeiro medley dedicado ao lado interventivo em "Liberdade África” e o la-mento em "Contratado”. Depois recuperou sucessos como: "Calema”, "Mucuaxi yami” e "Uabite Boba”.

Legalize, vocalista do Conjunto Dizu Dietu, fez as honras de casa com as canções do reportório como "Mucongo”, "Rosa Rosé” e outras para reviver o passado da música angolana. Foi lançado o "miúdo” guitarrista Dário que fez a parelha no contra-solo e ritmo com Yark Spin e Ferro esteve no baixo. Sem os habituais Teddy, Rufino e Mias, do Conjunto Dizu Yetu, os integrantes Lito Graça, Bucho, Legalize e Tollingas estiveram em palco. 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura