Política

Bornito de Sousa exalta valorização dos símbolos da resistência

O Vice-Presidente da República enalteceu, este sábado, em Ondjiva, a valorização dos escombros do antigo Comissariado da Província do Cunene, como símbolo que perpetua a história da libertação dos países da África Austral.

19/06/2022  Última atualização 08H20
O Vice-Presidente considerou o Cunene como referência da guerra de resistência à ocupação colonial e sul-africana no país © Fotografia por: CEDIDA

Bornito de Sousa, que falava durante uma visita ao local, disse que os escombros constituem um símbolo que traz à memória as diferentes etapas da invasão do território nacional pelas tropas da África do Sul.

Sustentou que a classificação destes escombros, por parte do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente, é uma medida acertada, que faz recordar tudo aquilo que o povo do Cunene teve que passar para que os irmãos da Namíbia e da África do Sul tivessem a independência.

Destacou que há a necessidade de remodelar o espaço, com um formato atractivo, para permitir que seja um ponto de referência obrigatória do turismo de guerra, a exemplo da Alemanha.

O Vice-Presidente da República, citado pela Angop, considerou a província do Cunene como referência de pontos de guerra da resistência à ocupação colonial e sul-africana no país, sublinhando as Batalhas da Môngua e da Cahama.

Realçou ainda o projecto do Ministério da Cultura, Turismo e Ambiente em traçar o roteiro para definir os pontos onde foram travadas diferentes batalhas, como a de Oshietekela e Cassinga.

Classificados, através do Decreto Executivo nº 100/21, de 20 de Abril, os escombros, localizados por detrás da actual sede do Governo do Cunene, são um importante marco de Angola na luta transnacional contra a segregação racial e social (Apartheid) do então regime sul-africano.

A invasão sul-africana concretizou-se no Cunene a 23 de Agosto de 1981, quando as Forças de Defesa e Segurança da África do Sul invadiram Angola, numa operação denominada Protela, e que obrigou a retirada da Administração do Estado e deslocaram-se a Castanheira de Pêra (Huíla).

Esta invasão originou diferentes batalhas, com destaque para a do Môngua, Xangongo, Naulila, Shamutete, Cuvelai, Tchipa e Calueque, que eleva o Cunene a um símbolo da resistência da luta pela Independência da Namíbia, em 1990, e a queda do regime do Apartheid na África do Sul, em 1994.

 

Homenagem ao Rei Mandume ya Ndemufayo

Durante a jornada de trabalho no Cunene, o Vice-Presidente da República rendeu homenagem ao rei Mandume ya Ndemufayo, falecido a 6 de Fevereiro de 1917, com a deposição de uma coroa de folhas de Omufiati no seu túmulo.

Na ocasião, Bornito de Sousa recebeu explicações do conselheiro para as Relações Públicas e Cooperação do Reino de Oukwanhama, Bernardo Hilundilua, que abordou aspectos da constituição do Memorial de Resistência contra a Ocupação Colonial Portuguesa no Sul de Angola.

Em declarações à ANGOP, à margem da visita, o actual rei de Oukwanhama, Jerónimo Haleinge, reconheceu que a ida do Vice-Presidente da República ao local reveste-se de um grande significado que traduz o respeito e valor pela cultura nacional.

Disse que vem ainda reconhecer a determinação do rei Mandume ya Ndemufayo, na resistência contra a ocupação colonial, ao comandar os destinos do povo Kwanhama, nos períodos mais difíceis da história da região Sul, entre 1911 e 1917.

Para enaltecer a figura do rei, o Executivo angolano construiu em 2000 um complexo turístico, em sua memória, na localidade do Oihole, a 45 quilómetros da cidade de Ondjiva.

O Complexo Memorial do Rei Mandume foi inaugurado em 2002, pelo então  Presidente da República de Angola, José Eduardo dos Santos, na presença do ex-Presidente da Namíbia, Sam Nujoma.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política