Mundo

“Bolsonaristas” revoltados com ida à segunda volta

Apoiantes do Presidente brasileiro ouvidos, esta segunda-feira, pela Lusa à porta do Palácio da Alvorada, em Brasília, manifestaram “revolta” pelo resultado das eleições presidenciais que determinaram uma segunda volta entre o actual Chefe de Estado e Lula da Silva.

04/10/2022  Última atualização 09H37
Presidente afirma ter “vencido a mentira das sondagens” que lhe atribuiam menos percentagem © Fotografia por: DR

"O meu sentimento hoje é de revolta”, disse à Lusa Ivone Luzardo, no jardim do Palácio da Alvorada, a residência oficial de Jair Bolsonaro.

Definindo-se como cristã, conservadora e patriota, Ivone Luzardo sente-se cansada de ser acusada por alguns juízes do Supremo Tribunal Federal de ser antidemocrática. Nós fomos roubados nas urnas”, sublinhou, visivelmente irritada.

As principais sondagens do país divulgadas na véspera das eleições presidenciais, como o instituto Datafolha, deram apenas 36 por cento das intenções de voto a Jair Bolsonaro e 50 por cento dos votos a Lula da Silva, ou seja, uma possível vitória logo à primeira volta.

Entretanto, o Presidente brasileiro teve quase mais oito pontos percentuais (43,2 por cento) e Lula da Silva 48,43 por cento, quando estavam apuradas 99,99% das secções de voto.

Ainda assim, Bolsonaro já tinha afirmado antes das eleições que se não tivesse mais de 60 por cento já na primeira volta "algo estranho” teria acontecido.

"O sentimento é de tristeza porque a gente esperava por outro resultado. No meu sentimento, teve fraude”, contou à Lusa Juliana Caren, seguindo a linha da campanha de Bolsonaro que tem denunciado e levantado dúvidas em relação às urnas electrónicas.

Em contraponto, o Presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) garantiu que as autoridades cumpriram a missão de trazer transparência às eleições e elogiou as urnas electrónicas.

"Saímos com a certeza que a justiça eleitoral cumpriu novamente a sua missão de trazer transparência”, declarou, em Brasília, Alexandre de Maraes.

Juliana Caren, juntamente com dezenas de apoiantes, estiveram a falar com Jair Bolsonaro, que deixou entrar os apoiantes no jardim do Palácio da Alvorada que se concentravam a cerca de 500 metros das imediações. "Ele pediu ajuda, ele pediu para a gente chamar pessoas” para vencer na segunda volta que se realiza a 30 deste mês, afirmou.

Na mesma linha, Rafael Dias prometeu que nas próximas três semanas de campanha vai lutar "pela democracia e pela liberdade” do país.

"As pesquisas da datafolha não são confiáveis, são mentirosas”, disse.

"Quando Bolsonaro sai às ruas são centenas de milhares de pessoas. Como é que esse voto sumiu assim?”, questionou, deixando a promessa que não vai deixar a esquerda assumir as rédeas do país.

Na sua única declaração aos jornalistas após o resultado eleitoral, Jair Bolsonaro afirmou que venceu a "mentira” das sondagens que o colocavam apenas 36 por cento nas intenções de voto e Lula da Silva com a possibilidade de uma vitória na primeira volta.

"Vencemos a mentira hoje”, disse, em declaração aos jornalistas no Palácio da Alvorada.

Alinhado com a retórica, Alexander Bilek disse à Lusa que o seu sentimento com o resultado eleitoral é de revolta.

"Queria que toda a 'media' do nosso país, do Brasil, fosse buscar informação através da boca das pessoas, do povo. E não através daqueles que têm dinheiro para manipular”, frisou.

"Os órgãos de pesquisa (sondagem) estão servindo interesses partidários”, criticou.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo