Política

Boavida Neto admite erros na transferência de dinheiro

João Constantino | Cuito

Jornalista

O ex-governador da província do Bié, Álvaro de Boavida Neto, admitiu, ontem, em tribunal, ter havido erros administrativos na homologação das ordens de saque para o pagamento da obra de construção da escola de 12 salas de aula no bairro São José, no Cuito.

29/09/2021  Última atualização 05H10
Deputado e antigo governador do Bié disse ter autorizado o pagamento dos 19 milhões © Fotografia por: Edson Fabrízio | Edições Novembro
Boavida Neto, na condição de declarante, respondia a perguntas do juiz do Tribunal de Comarca do Cuito, durante a sessão de julgamento que envolve o antigo director do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística (GEPE), Juvenal Teixeira Girão, acusado do crime de abuso de poder.

O contrato para a construção da referida escola foi celebrado com a empresa Bernarda e Filhos LDA, enquanto os pagamentos foram feitos à empresa Mbalaka Construções, cujo proprietário é a mesma pessoa.

Para o actual deputado à Assembleia Nacional, houve claramente um erro em se transferir os valores para uma outra empresa, mas, ainda assim, segundo Boavida Neto, não seria motivo para um processo-crime, mas talvez administrativo, por não existir nada ilegal. 


 "O processo de transferência foi autorizado, porque o Governo tinha uma dívida com uma das empresas da senhora Bernarda Bundo. No acto de cobrança, a empresária apresentou a nota de cobrança em nome de outra empresa sua e não no nome da empresa contratada. Um erro que fez que os valores fossem depositados na empresa errada, mas da mesma proprietária”, esclareceu.

Segundo a acusação do Ministério Público, em 2015, o réu transferiu ilegalmente 19 milhões 746 mil 852 kwanzas e 35 cêntimos, de forma faseada, para uma conta da empresa Mbalaka Construções Lda, para a edificação de uma escola de 12 salas de aula no bairro São José, arredores da cidade do Cuito, quando na verdade o contrato foi celebrado, em 2014, entre o Governo da província, através da Direcção Provincial da Educação, e a empresa Bernarda e Filhos LDA.

Os valores acordados rondam os 90 milhões de kwanzas, homologados pelo então governador provincial, Álvaro de Boavida Neto.

Mesmo sabendo que o contrato da empreitada foi celebrado com a empresa Ber-narda e Filhos, conforme o Ministério Público, o réu Juvenal Teixeira da Silva Girão continuou a efectuar o pagamento à empresa Mbalaka Construções.

Entretanto, Juvenal Teixeira adiantou que o pagamento foi feito em função da nota de cobrança remetida pela senhora Bernarda Bundo, por meio da empresa Mbalaka Construções, quando na verdade o dinheiro deveria ir para outra conta da empresa Bernarda e Filhos LDA.

Ouvido na semana passada, também como declarante, o vice-governador para o Sector Técnico e Infra-Estruturas, José Fernando Tchatuvela,  afirmou que todo o pagamento de uma programação financeira feita pelo GEPE é autorizado pelo governador da província.


*Com Angop

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política