Cultura

Boaventura Cardoso agradece distinção

“Sinto satisfação por ter sido distinguido com este prémio. Honra-me fazer parte da galeria dos galardoados com este prémio”. As palavras foram proferidas, quinta-feira, em Luanda, por Boaventura Cardoso, vencedor do IV Prémio DST Angola/Camões.

12/11/2022  Última atualização 07H45
Escritor disse ser uma honra fazer parte da galeria dos galardoados com o prémio DST Angola © Fotografia por: DR

O galardão foi atribuído ao romance "Margens e Travessias” e entregue quinta-feira, no auditório do Instituto Camões - Centro Cultural Português em Luanda (Angola).

O autor encarou o prémio como o reconhecimento, por parte do júri, "da qualidade técnica do romance”, o que "consolida em mim a necessidade de reflectir sobre o mundo”, disse Boaventura Cardoso. O autor reconhece que o livro ‘Margens e Travessias’ é uma reflexão sobre a realidade angolana. "A literatura deve questionar e essa é uma interrogação que vou expressando em cada livro. Só o romance me permite ter uma nova visão. Escrevo a partir da realidade de Angola. Interessa abordar o que é real”, admitiu Boaventura Cardoso. O escritor acrescentou que "sou um escritor angolano com pretensões de ser livre em qualquer parte do mundo. Este prémio vai contribuir para a concretização dessa pretensão”.

Em representação do grupo DST, o membro do Conselho de Administração Joaquim Rodrigues fez notar "a importância estrutural da cultura para o caminho da liberdade”.

Joaquim Rodrigues fez questão de salientar que "todas as empresas têm uma forma de se apresentar” e que a aposta na cultura é o que identifica o grupo DST.

A presidente do júri do IV Prémio de Literatura DST Angola/Camões, Irene Guerra Marques, realçou que o livro ‘Margens e Travessias’ "é um magnífico romance” que lança "um olhar criativo para inúmeros factos, que nos aproximam de um olhar fotográfico sobre o passado”.

Irene Guerra Marques fez, ainda referência ao "longo percurso admirável do autor” que "assenta num rigoroso mecanismo de escrita”. No entender da presidente do júri, o romance vencedor manifesta "um profundo conhecimento da realidade. É um romance fundamental para conhecer Angola.”

A presidir a sessão esteve o embaixador português em Angola. Francisco Alegre Duarte salientou que o prémio "é uma oportunidade para celebrar a língua portuguesa”. O embaixador louvou ainda o grupo ‘DST’, que se tem "destacado como um importante mecenas cultural.”

O IV Prémio de Literatura DST Angola/Camões tem um valor monetário de 15 mil euros.

Boaventura Cardoso, licenciado em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade de São Tomaz de Aquino- "Angelicum”, de Roma, é membro fundador da União dos Escritores Angolanos e autor de várias obras literárias.

Da colectânea de obras de Boaventura Cardoso constam os livros "Dizanga dya Muenhu” (1977), "O Fogo da Fala” (1980),"A Morte do Velho Kipacaça” (1987), "O Signo do Fogo” (1992), "Maio, Mês de Maria” (1997), "Mãe, Materno Mar” a que foi atribuído o Prémio Nacional de Cultura e Artes (2001), na disciplina de Literatura, "Noites de Vigília” (2012) e "Margens e Travessias” (2021).

O escritor, actualmente deputado à Assembleia Nacional pelo partido no poder, Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), é membro honorário da Academia Palmense de Letras (Estado brasileiro de Tocantins) e ostenta a Ordem de Mérito Cultural na classe Comendador, concedido pelo Presidente da República Federativa do Brasil, em 2006.

Está dicionarizado no "Novo Aurélio”, de Aurélio Buarque de Holanda, tendo sido de 2016 a 2020, o primeiro presidente da Academia Angolana de Letras de que é membro fundador.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura