Economia

BNA e PNUD reforçam parceria sobre inclusão financeira

Ana Paulo

Jornalista

O Banco Nacional de Angola (BNA) e o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) assinaram, ontem, em Luanda, um memorando de entendimento que permitirá o reforço de acções desenvolvidas no domínio da inclusão financeira.

29/09/2022  Última atualização 06H45
Governador do BNA, José de Lima Massano (à direita) e Edo Stork, do PNUD, quando rubricavam, ontem, em Luanda, a assinatura do protocolo de cooperação © Fotografia por: Contreiras Pipa| Edições Novembro

Foram responsáveis pelo referido acto, o governador do BNA, José de Lima Massano, e o representante residente do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Edo Stork.

Para além da troca de experiências, sobretudo da parte do PNUD por ser uma Organização Internacional das Nações Unidas que trabalha com vários países do mundo, a organização de  fóruns conjuntos é também nota de realce, bem como matérias de interesse comum, troca de informações, entre outros aspectos, que permitem o desenvolvimento do sector.

Conforme as partes, ao BNA caberá organizar eventos com o PNUD a dar o apoio técnico no aprofundamento dos meios de pagamentos digitais.

Em declarações à imprensa, após a assinatura do memorando, o governador do BNA, José de Lima Massano, realçou como objectivo que as acções  sobre a inclusão financeira sejam decisivas para e nas comunidades, e permitam também que os serviços financeiros abranjam a todos os cidadãos.

Segundo o governador, um dos principais objectivos é que  os cidadãos compreendam a importância da gestão das próprias poupanças e dos recursos que têm à disposição.

Para José de Lima Massano a oportunidade de reforçar a acção em parceria com o PNUD  torna o trabalho mais completo porque a instituição terá também a referência de outras realidades, outros países que com o PNUD foram desenvolvendo também mais iniciativas.

Ainda no que toca o sector de inclusão financeira, José de Lima Massano garantiu que há ainda um conjunto de iniciativas em curso em parceria com outros departamentos ministeriais, com destaque o Ministério da Família e Promoção da Mulher, Ministério da Juventude e Desportos, Ministério da Educação e várias organizações juvenis, Universidades, entre outros.

Por sua vez, o representante-residente do Programa da Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Edo Stork, reforçou que sobre o processo de inclusão financeira em Angola, a sua organização continuará a colaborar e a trabalhar, sobretudo, para o avanço do país, alinhados com o Plano Nacional de Desenvolvimento, para além de buscar e apoiar os angolanos a conseguirem ter mais acesso às finanças.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia