Economia

Bié abastece mercado com mais de 20 toneladas de milho e feijão

Vinte toneladas de milho e sete de feijão manteiga produzidas na província do Bié, foram compradas durante o acto formal de compra e venda da produção nacional, realizado no sábado (3), pelo Gabinete Provincial para o Desenvolvimento Integrado.

05/10/2020  Última atualização 08H37
Edson Fabrizio | Cuito | Edições Novembro © Fotografia por: Empresas compram produção local financiada pelo PRODESI

Segundo uma nota do Ministério da Economia e Planeamento, a iniciativa enquadra-se nas medidas de alívio económico, operacionalizado pelo Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), no âmbito do PRODESI, tendo beneficiado uma cooperativa do Cuito, com um crédito de mais de 10 milhões de kwanzas.

A fonte acrescenta que, por via do crédito, foi possível produzir os bens agora adquiridos, pelo empresário Domingos Rufino da empresa "Koquela".
O acto formal de compra e venda intermediado pelo Gabinete Provincial para o Desenvolvimento Integrado do Bié decorreu na presença de várias entidades locais destacando-se a directora do GPDEI, Anacleta Leonardo e Emília Pangimba, administradora municipal do Chitembo (Bié).

Incentivar à produção

Em Agosto, o Bié realizou a II feira provincial da batata e do milho, uma iniciativa do governo local, que visou incentivar a produção interna, no âmbito das acções do Executivo angolano para alavancar a economia nacional.

Segundo os organizadores, a actividade juntou produtores de campo dos nove municípios que compõem a província do Bié, nomeadamente, Andulo, Camacupa, Catabola, Chinguar, Chitembo, Cuemba, Cunhinga, Cuito e Nhârea.

Entre os principais produtos da feira, destacam-se o feijão, batata, milho, mel, citrinos e tubérculos.

Cerca de 81.143 toneladas de produtos diversos estiveram expostos na rcente feira, sendo que o Chinguar se posicionou como o município com maior capacidade instalada, seguido do município de Camacupa.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia