Opinião

Batas brancas de volta às ruas

Hoje, as batas brancas e os uniformes de outras cores voltam a colorir as ruas das cidades e arredores das 18 províncias, uma realidade que passa a ser regular com o retorno à modalidade antiga de início do Ano Lectivo em Setembro para finalizar em Junho, tal como sucedia até aos anos 90.

01/09/2021  Última atualização 07H45
Atendendo à forma peculiar como terminou a época escolar precedente, não há dúvidas de que os preparativos para o arranque deste, provavelmente, ocorreram com alguns sobressaltos que deverão, naturalmente, ser corrigidos à medida que as aulas forem ministradas.

Assistimos ainda, ao nível do Primeiro Ciclo do Ensino Primário e Secundário, a corrida às escolas para a entrega completa dos certificados, para a conclusão do processo de confirmação e matrículas, para a elaboração das listas das turmas, entregas dos horários, entre outras situações.

É verdade que, relativamente ao conjunto de tarefas mencionadas,  algumas escolas estão mais avançadas que outras, mas, na verdade e como se disse, resultam, muitos destes constrangimentos, da forma como terminou o Ano Lectivo passado. É natural que algumas coisas sejam corrigidas com o andamento do próprio Ano Lectivo e que o mais importante, independentemente das nossas eventuais insuficiências, passe por sermos capazes de aprender sempre com as experiências, boas e menos boas, com o processo de Ensino e Aprendizagem.

Como defendeu, ontem o Presidente da República, João Lourenço, intervindo na cerimónia de posse dos novos membros do Conselho da República, a aposta do Executivo, do Estado e de toda a sociedade angolana deve estar concentrada no homem. De facto, apenas com homens e mulheres bem formados seremos capazes de modernizar Angola, de responder aos desafios que todos os dias se levantam na caminhada que fazemos na direcção do bem-estar das famílias e de pessoas singulares.

O Chefe de Estado disse que devemos investir na qualidade do nosso ensino, partindo da  formação dos nossos professores porque, com estes bem formados, teremos igualmente alunos muito bem formados.O Mais Alto Magistrado da Nação reconheceu que não temos ainda um ensino de qualidade, um ingrediente relevante no diagnóstico do estado do sector, e que demonstra, certamente, o compromisso e seriedade com que se olha para o actual quadro da educação em Angola.  

Há, no fundo, consciência plena de que muito ainda temos por fazer para que a nossa educação atinja níveis de excelência, de competitividade e de contínua resolução dos principais desafios da nossa sociedade.    

Esperemos que, com o arranque do Ano Lectivo 2021-2022, sejamos capazes de dar mais um passo no processo contínuo de melhoria do nosso ensino, a todos os níveis, mas com particular realce para os graus de base. Afinal, é no primeiro nível em que se forjam as bases em que devem assentar, depois, a continuidade da formação com êxito, razão pela qual, com o início da época escolar, felicitamos a todos os seus intervenientes, entre professores, alunos, gestores escolares, os seguranças, o pessoal de limpeza, encarregados, a Brigada Escolar da Polícia Nacional.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião