Cultura

Banda fez maravilha sábado no Marçal

A Banda Maravilha fez jus ao nome que carrega proporcionando momentos maravilhosos aos amantes da música angolana que estiveram presentes, na tarde de sábado, em mais uma edição do Kuimbila Ni Kukina Semba, no salão e bar do João Adilson, no Marçal.

15/11/2021  Última atualização 04H25
Apesar da ausência do baterista Marito Furtado, a Banda Maravilha não deixou os seus créditos em mãos alheias no show de sábado © Fotografia por: DR
Raul Tollingas, Cirineu Bastos e Jorge Mulumba, que assistiram o concerto, acabaram por partilhar o palco com os colegas da Banda Maravilha.


Com um fecho vibrante convidando os presentes para a roda de "Rebita”, o concerto começou ao som de dois instrumentais executados.


Os temas "Benguela Libertada” e "Grito Di Bo Fidjo” dedilhados por Isaú Baptista abriram o reportório e de seguida os temas cantados nas vozes de Moreira Filho, o veterano baixista, e FA, um jovem promissor nas congas.


Nesta primeira sequência foram executados sucessos do passado como "Manazinha”, "Sanzala”, "Fatimita” e outros de cantores que marcaram a música angolana como Belita Palma, Gildo Costa e Urbano de Castro.


Miqueias Ramiro, nas teclas e direcção artística, teve na bateria Fausto em substituição de Marito Furtado, ausente do país. A aposta não decepcionou e correspondeu às expectativas. Isaú também cantou alguns temas, complementando o grupo de intérpretes juntando-se a Moreira Filho e FA.


Os grandes êxitos encontrados na discografia do grupo como: "Kamukambe”, "Nguxi”, "Meu Amor da Rua 11”, "Soba Soba” e outros deixaram eufóricos a assistência. Como é habitual a Banda Maravilha no alinhamento acrescentou canções de outros artistas.


Chamados pelos colegas para uns momentos em palco, Cirineu Bastos entrou no clima da Independência Nacional e encantou com "Mama ”, poema musicalizado por Ruy Mingas, por sua vez Raul Tolingas fez uma miscelânea de sucessos dentre os quais "Monami” de Sabú Guimarães. Jorge Mulumba aproveitou para brindar com o tema "Marçal, Meu Bairro do Coração”.


Foram mais de duas horas de música ao vivo no Salão de João Adilson e como sempre testemunhada pela anciã dona Zita, responsável pela atribuição pela população do nome da rua. Surgiu depois uma sequência de sucessos sob a responsabilidade de DJ Viriato Victor.


A Banda Maravilha surgiu em 1993, com Carlitos Vieira Dias, Moreira Filho, Marito Furtado Rufino e Joãozinho Morgado. Depois de actuações em várias casas nocturnas, torna-se a banda do programa da Televisão Pública de Angola (TPA), "Gentes & Tons”, apresentado por André Mingas, que baptizou a formação. Tem as seguintes obras discográficas: "Angola Maravilha”, "Semba Luanda”, "Zungueiras” e "As  Nossas Palmas”.


De momento, com dificuldades para lançar o próximo CD, quase concluído, tem trabalhado com os principais artistas nacionais e tem feito o suporte instrumental de cantores internacionais em Angola.


O Kuimbila Ni Kukina Semba tem agendado para o próximo domingo  uma edição para celebrar o aniversário de Dulce Trindade, com a sua banda Mizangala DT e alguns convidados.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura