Economia

Bancos acatam directiva mas enchentes persistem

Hélder Jeremias

Jornalista

Os bancos comerciais ouvidos pelo Jornal de Angola declararam estar a acatar a Directiva 9/2021, do BNA, mantendo, desde sábado, a disponibilidade de numerário num mínimo de 95 por cento dos caixas automáticos (ATM) e adoptando horários extraordinários, incluindo aos sábados.

02/10/2021  Última atualização 06H00
Os arredores da Baixa de Luanda continuam a registar aglomerações, ainda que menos significativas © Fotografia por: DR
Em percursos por agências bancárias e outros pontos de atendimento, em Luanda, a nossa reportagem verificou a persistência de aglomerações significativas de clientes interessados em efectuar levantamentos, depósitos e transferências junto de balcões e ATM, com particular realce para a zona periférica, com um ligeiro abrandamento na Baixa da cidade.


A maior parte dos ATM visitados continha dinheiro, mas a sua ausência, ou a de papel, em certos casos, não passa despercebida, motivo pelo qual muitos clientes preferiam deslocar-se à Baixa da cidade, onde está concentrada uma rede mais densa de balcões e terminais de ATM.

Utentes contactados disseram haver alguma melhoria em relação ao período que antecedeu à directiva do Banco Nacional de Angola (BNA), mas manifestaram algum cepticismo, por se tratar de um período ainda efémero e muitas empresas ainda não terem pago os salário.

O director de  Marketing do Banco de Poupança e Crédito (BPC), José Matoso, disse  à nossa reportagem que a Administração da instituição cumpriu com todos os pressupostos para a materialização da directiva, estando disponíveis 22 balcões em todo o país, os quais passaram a atender  até às 12h00 de sábado.


José Matoso acredita que os clientes do BPC conhecerão um período melhor, decorrente da nova dinâmica e da superação de questões técnicas que, durante um longo período, limitaram os serviços prestados aos clientes, tal como o recente ataque cibernético ao sistema informático.


A reduzida procura pelos serviços bancários aos fins-de-semana, de acordo com José Matos, deve-se a questões culturais, pois, afirmou, "a maioria dos clientes desloca-se às instituições bancárias nos dias úteis de trabalho, por residir na zona periférica do centro urbano em que funciona”.

"Muitos cidadãos têm o costume de efectuar as suas operações bancárias nos dias em que se deslocam para o centro da cidade em trabalho. Além da deslocação diária implicar gastos com passagens, já não faz parte dos seus valores culturais procurar pelas agências aos sábados. Por esta razão, os balcões registaram um número reduzido de clientes no primeiro sábado”, disse


O director de Marketing e Gestão de Marca do Banco Angolano de Investimento (BAI), Fábio Correia, garantiu o cumprimento, na íntegra, da directiva do BNA, numa altura em que a instituição também garante a abertura de balões em períodos extraordinários para a actualização de dados dos clientes.


O Banco Millennium Atlântico, além da disponibilidade de notas não inferior a 95 por cento da sua capacidade dos ATM, conta com 21 agências a funcionar, desde a última segunda-feira, em horários especiais (das 7 às 14h00 e  das 10 às 14h00), o que disse ser "uma medida que vai ao encontro às necessidades dos clientes que preferem ou necessitam de atendimento presencial”.



O presidente da Associação Angolana de Bancos (ABANC), Mário Nascimento, afirmou à nossa reportagem estar convencido de que todos os bancos comerciais já estão a cumprir a Directiva, pelo facto de estarem perante uma ordem do órgão regulador, sob pena de serem sancionados em caso de incumprimento.


"Ainda não é possível fazermos qualquer avaliação, porque a medida só entrou em vigor há pouco menos de uma semana (sábado). Todavia, estamos em crer que cada uma das instituições está a cumprir com aquilo que é uma obrigação de todos, ou seja, não existe outra opção”, declarou Mário Nascimento.     

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia