Economia

Banco Yetu vende euro acima dos 800 kwanzas

O câmbio a que a Banco Yetu vendeu o euro, ontem, de 805,491, levou a taxa a superar o marco dos 800 kwanzas por unidade da moeda europeia, o que acontece pela primeira vez desde o início da reforma cambial, em Janeiro de 2018.

10/10/2020  Última atualização 17H31
Edições Novembro © Fotografia por: Operações do Banco Yetu pressionam taxa de câmbio

Segundo a lista das operações cambiais dos bancos publicada, ontem, pelo BNA, o de Negócios Internacional (BNI) e o de Fomento Angola (BFA) aproximaram-se desse marco, negociando o euro a 785,480 e a 785,479 kwanzas.

Em sentido contrário, os bancos de Comércio e Indústria (BCI), Standard Bank Angola (SBA) e Finibanco Angola (FNB) ofereceram o euro a taxas de câmbio mais competitivas, a 769,163 kwanzas, bem como a 769,603 e 772,244 kwanzas, respectivamente.

A taxa a que o Yetu negociou foi superior em 3,35 por cento à média dos bancos, de 779,378 kwanzas, e em 4,72 por cento à mais baixa, à qual negociou o BCI.
Na venda do dólar, o Banco de Crédito Sul (BCS) negociou a 681,445 kwanzas, a taxa mais alta entre os bancos comerciais, seguido pelo Yetu e o BNI, que venderam a moeda norte-americana a 677.740 e 668,096 kwanzas, de acordo com os dados do BNA.

Diferentemente, os bancos Millennium Atlântico (ATL), FNB e Comercial Angolano (BCA) ofereceram taxas de câmbio mais atractivas, transaccionando a moeda dos Estados Unidos a 636.215 kwanzas, bem como a 649 e 650 kwanzas, respectivamente.

Os números dizem que a taxa a que o BCS negociou era em 3,07 superior à média dos bancos comerciais, de 661,167 kwanzas, situando-se também 7,11 por cento acima da mais baixa, adoptada pelo ATL.

A informação sobre as taxas de câmbio é importante, com cálculos a indicarem há dois meses que, naquela altura, a opção pelos bancos que oferecem taxas mais competitivas podia gerar poupança de até 1.300 euros a quem transferisse essa mesma soma em ajuda familiar durante um ano.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia