Economia

Banco Nacional de Angola assume inflação de um dígito no médio prazo

Isaque Lourenço

Jornalista

O governador do Banco Nacional de Angola (BNA), José de Lima Massano, disse, ontem, à noite, em Luanda, que o país está comprometido em conseguir atingir no médio prazo uma taxa de inflação entre quatro a seis por cento, de modo a cumprir com o acordo de convergência macroeconómica aprovada pelos governos dos países membros da SADC.

08/01/2022  Última atualização 10H05
© Fotografia por: DR
Durante a entrevista que concedeu ao canal televisivo "TV Zimbo”, José de Lima Massano assegurou que os actuais níveis de inflação ainda são altos, mas para 2022 espera-se atingir no final deste ano o marco de 18 por cento e seguir-se o caminho até ao alcance da taxa de um dígito.

Para tal, o governador apontou a aposta contínua na produção interna como mecanismo de contrapor o recurso às importações. Esta é também a razão de o banco central, em parceria com os bancos comerciais, ter implementado o Aviso 10/2020, através do qual são destinados 2,5 por cento do valor do activo líquido para financiamento da produção nacional.

"Em 2022, teremos de ser capazes de manter todas as conquistas até aqui verificadas e no essencial garantirmos o cumprimento da missão do BNA que é o da estabilidade dos preços”, afirmou.

Um dado assumido também pelo governador do banco central é o de que a instituição assume o papel independente de quaisquer outros poderes da condução da política cambial, monetária e de estabilidade dos preços. Nesse sentido, reafirmou, a prontidão do banco em, a partir de 2023, passar a apresentar previsões económicas próprias, independentes do Governo e mesmo das organizações internacionais.


Multicaixas

Em relação ao aumento do limite de levantamento diário, iniciado ontem, em todo o território nacional, de 60 para 100 mil kwanzas por dia, José de Lima Massano aproveitou esclarecer a prontidão técnica, tecnológica, logística e operacional do Sistema Financeiro. Também garantiu que, basicamente, o que ocorre de mudança significativa é a possibilidade de levantar-se dinheiro através dos Terminais de Pagamentos Automáticos (TPA) com um desconto de 1,0  por cento do valor a favor do comerciante que executou a operação. Em relação ao desconto de 350 kwanzas nas operações de multicaixas feita em caixa diferente da do banco emissor do cartão, disse, o desconto é feito ao banco e não ao cliente.
Quanto aos 20 kwanzas cobrados pela consulta em papel, recordou que só ocorre a partir do sexto movimento.
Conforme garantiu, esta decisão visou só e só mesmo premiar os bancos que têm regularmente os seus ATM (Caixas Automáticos) carregados com valores regularmente.



Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia