Mundo

Banco de Moçambique acusado de má gestão

A organização Não-Governamental (ONG) Centro para a Democracia e Desenvolvimento (CDD) acusou o Banco de Moçambique de falta de transparência na gestão de 310 milhões de dólares desembolsados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) para o combate à Covid-19.

03/12/2022  Última atualização 07H55
Dinheiros doados pelo FMI não divulgados em relatórios © Fotografia por: DR

"O Banco de Moçambique assumiu a propriedade dos fundos e eximiu-se da responsabilidade de prestação de contas, não emitindo nenhum comunicado acusando a recepção dos fundos, nem os planos ou actualizações sobre a sua utilização na mitigação dos impactos da pandemia de Covid-19”, refere uma análise do CDD, consultada ontem pela Lusa.

Um ano e três meses após o Governo receber do FMI o referido montante, os moçambicanos pouco sabem sobre o destino que foi dado aos 310 milhões de dólares (294 milhões de euros), prossegue a análise.

O CDD observa que os relatórios dos recursos destinados ao combate à Covid-19 têm sido divulgados pelo Ministério da Economia e Finanças (MEF), mas o financiamento alocado pelo FMI não consta desses documentos, o que mostra, segundo a organização, que "vem sendo administrado de forma discricionária e pouco transparente pelo Banco de Moçambique”.

O ministério já divulgou oito relatórios, mas em nenhum se faz referência aos fundos contra a Covid-19 na posse do Banco Central, nota o CDD.

Os recursos disponibilizados por aquele organismo financeiro internacional correspondem aos "direitos especiais de saque” que o FMI concede aos membros da organização.

"Existe a ideia errada de que os direitos especiais de saque são uma propriedade exclusiva do Banco de Moçambique e só devem ser usados excepcionalmente para fins de balança de pagamentos”, refere o texto.

O CDD assinala que o facto de aquele importante instrumento financeiro integrar reservas internacionais líquidas não impede que seja usado para fins de natureza fiscal, como a realização de despesas prioritárias nas áreas da Saúde e Vacinação.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Mundo