Sociedade

Bancários detidos sob acusação de furtarem kz.958 milhões

André da Costa

Jornalista

Um total de sete actuais e ex-funcionários do Banco Sol foram detidos, nos dias 22 e 23 de Abril, pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC), em Luanda, por supostamente terem furtado 958 milhões de kwanzas, que estavam domiciliados numa conta da referida unidade bancária.

14/05/2022  Última atualização 08H10
© Fotografia por: DR

O porta-voz do SIC de Luanda, superintendente-chefe Fernando de Carvalho, explicou, quinta-feira, que os acusados, com idades compreendidas entre 30 e 55 anos, estão indiciados nos crimes de associação criminosa, acesso ilegítimo de sistema de informação e furtos de valores.

Frisou que os factos ocorreram em Março desse ano, quando um dos implicados, de 55 anos, arquitectou um plano de furto de valores no Banco Sol, tendo feito contacto para obter a palavra passe de um dos gestores ou gerente.

Explicou que o acusado contactou um comerciante, a quem explicou o esquema para retirar dinheiro do banco. Esse, por sua vez, encontrou um outro colega de actividade e ambos contactaram um gestor de contas da referida instituição bancária, que, depois de negociações, cedeu a palavra passe e outros dados de acesso aos computadores.

Com os dados de acesso ao sistema bancário, o acusado que vimos citando marcou encontro com um subgerente do banco que tinha em sua posse um computador da agência bancária, um outro individuo (ex-funcionário dessa instituição) e dois comerciantes.

Fernando de Carvalho explicou que o subgerente e o acusado acessaram ao sistema financeiro do banco, sob orientação do ex-funcionário, que já tinha conta no banco com mil milhões de kwanzas, e desta furtaram 650 milhões de kwanzas, distribuídos em quatro cartões multicaixas.

Assim, o cabecilhas do grupo e o subgerente ficaram com 250 milhões de kwanzas, outros dois elementos receberem um cartão com cem milhões de kwanzas cada e um terceiro beneficiou de 200 milhões de kwanzas, este último, o gestor de contas que deu a palavra passe e outros dados.

O porta-voz do SIC disse que, em Abril, o referido grupo recrutou um sétimo elemento, técnico de informática, ex-trabalhador do Banco Sol, que acedeu ao sistema da instituição e copiou a palavra passe e outros dados da gestora do balcão 502, e passou a um dos comparsas, tendo sido furtado 308 milhões de kwanzas, distribuídos em seis cartões multicaixas e dividiram o dinheiro.  

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Sociedade