Economia

BAD financia sector privado em Angola

O representante do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) em Angola disse hoje que o objectivo da instituição é aumentar o financiamento ao sector privado, para relançar a economia e abrandar os empréstimos ao Governo.

14/10/2021  Última atualização 16H52
© Fotografia por: DR

Pietro Toigo fez saber que a carteira de investimentos do banco em Angola é de cerca de 1,2 mil milhões de dólares divididos em 13 projectos, quase metade relativa à agricultura, havendo mais projectos em preparação, avaliados em 2,5 mil milhões de dólares.

"O objectivo do BAD, nos próximos anos, é apostar no financiamento a entidades não soberanas, ou seja, o sector privado e reduzir os empréstimos soberanos", disse durante o Seminário Virtual sobre Oportunidades de Negócio, que decorreu "online” a partir de Abidjan.

Por seu turno, o director do Gabinete de Estudos e Relações Internacionais das Finanças, Patrício Neto, afirmou que a meta é aumentar a exposição ao banco, mas está-se a trabalhar para explorar as soluções de financiamento não soberano para potenciar o apoio ao investimento privado.

"Angola tem estado a implementar muitas reformas políticas em vários domínios, algumas voltadas para restaurar a estabilidade macroeconómica e outras para que a economia funcione melhor, tendo impacto a médio e longo prazo", adiantou.

Já o presidente da Associação Industrial de Angola (AIA), José Severino, destacou que a recessão económica dos últimos cinco anos tem dificultado a vida das populações.

"A crise económica tem cinco anos e foi agravada com a pandemia de Covid-19, que acabou por retroceder todo o progresso que tínhamos feito na inflação, que voltou para cerca de 25%, o que agrava extraordinariamente as condições de vida da população, com capacidade muito reduzida de resiliência e problemas agudos de nutrição, particularmente, no sul, que preocupam o Governo e a sociedade civil", declarou o líder.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia