Economia

Autoridade Reguladora da Concorrência aprova parceria Sonangol e Total para a distribuição

O acordo para o desenvolvimento conjunto de actividades de comercialização de produtos derivados do petróleo entre a Sonangol e a Total começou a ser implementado com a aprovação da associação pela Autoridade Reguladora da Con corrência (ARC), segundo uma nota de imprensa da companhia francesa enviada ontem ao Jornal de Angola.

24/12/2019  Última atualização 08H13
Cristovão Neto| Edições Novembro © Fotografia por: Parceria conta com infra-estruturas da Sonangol e capitais da Total


A esta nova etapa, iniciada a 21 de Dezembro de 2018, segue-se a recepção da aprovação, exigida pela ARC, para a incorporação da empresa de capital misto Total Marketing & Services Angola SA, detida em participações iguais pelos grupos Sonangol e Total.
Parceiros de longa data em actividades upstream, a Total e a Sonangol vão, através desta empresa mista, desenvolver conjuntamente actividades de distribuição em Angola, quarto mercado mais importante da companhia francesa na África Subsaariana.
Um desenvolvimento que se traduzirá, numa primeira fase, na distribuição de carburantes e na venda de lubrificantes a empresas e particulares, através de uma rede de postos de abastecimento com a marca “Total”, sendo que o primeiro foi inaugurado em Luanda, em Dezembro de 2018. A Sonangol disponibiliza à empresa mista 45 postos de abastecimento existentes, situados em áreas urbanas ao longo das estradas principais em 10 províncias costeiras e do centro do país.
Por seu lado, a Total contribui com os recursos financeiros necessários para que se atinjam os objectivos dos parceiros: duplicar o número de postos de abastecimento num período de cinco anos e desenvolver as actividades viradas para o negócio e a venda de lubrificantes. Além disso, tendo em conta a sua experiência em matéria de distribuição, venda e cultura do cliente, a Total contribuirá para o desenvolvimento de uma rede de postos de abastecimento com os padrões internacionais mais elevados e proporcionará aos clientes nacionais uma gama de produtos e serviços de qualidade.
“Sentimo-nos felizes e orgulhosos por testemunhar a concretização deste acordo. O desenvolvimento das actividades de distribuição em Angola, país chave para a Total, ao lado da Sonangol, nosso parceiro histórico, augura as melhores perspectivas para esta nova empresa”, declarou Momar Nguer, presidente do ramo Marketing e Serviços e membro do Comité Executivo da Total.
“Líder de distribuição no continente, este acordo vem reforçar a nossa rede e vai permitir propor aos clientes angolanos a oferta de produtos e serviços e, igualmente, encontrar outras oportunidades de desenvolvimento e de sinergias no país”, acrescentou.
A filial de Marketing e Serviços da Total desenvolve e distribui produtos derivados do petróleo e todos os serviços que possam estar associados aos mesmos. Com 31 mil colaboradores em 109 países e ofertas de produtos e serviços comercializados em 150 países, a Total Marketing and Services acolhe mais de oito milhões de clientes todos os dias na sua rede de mais de 14 mil postos de abastecimento em 62 países.
Quarto distribuidor mundial de lubrificantes e primeiro distribuidor de produtos derivados do petróleo em África, o ramo comercial da Total baseia a sua actividade em 50 “sites” de produção em diferentes países do mundo, onde são produzidos lubrificantes, betumes, aditivos, combustíveis e fluidos especiais.
A Total está presente em Angola desde 1953, onde emprega cerca de 1.500 colaboradores que actuam nos quatro ramos de negócio: exploração, produção, gás, energias renováveis, Marketing e Serviços, assim como comércio e expedição. Em 2018, a quota do grupo foi de cerca de 211 mil barris por dia, com as operações nos blocos operados 17 e 32 e as participações em activos operados por terceiros os blocos 0, 14, 14K e Angola LNG.
A Total é a primeira operadora de petróleo do país, com cerca de 45 por cento da produção de petróleo operada. A companhia também opera o Bloco 17/06, localizado na bacia do Baixo Congo, o Bloco 16, com a descoberta de Chissonga (em fase de desenvolvimento) e o 48, em fase de exploração no “offshore” ultraprofundo.
No sector de gás, a Total detém uma participação de 13,6 por cento na fábrica Angola LNG, cuja produção de 5,2 milhões de toneladas por ano é fornecida pelo gás associado à produção dos campos de petróleo “offshore” do país. Além disso, a Total entrou, recentemente, para o New Gás Consortium para desenvolver recursos de gás natural angolano.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Economia