Política

AUDA-NEPAD quer ajudar Angola a alcançar meta de desenvolvimento

César Esteves

Jornalista

A Agência de Desenvolvimento da União Africana (AUDA-NEPAD), criada há três anos para fomentar a integração, servir os Estados membros e as comunidades económicas regionais na implementação das decisões tomadas pelos Chefes de Estado daquela organização continental, quer ajudar Angola a alcançar a meta traçada para o desenvolvimento.

22/01/2022  Última atualização 06H25
Presidente da República, João Lourenço, concedeu, ontem, audiência a Ibrahim Assane Mayaki © Fotografia por: Dombele Bernardo| Edições Novembro
A intenção foi manifestada, ontem, em Luanda, à imprensa, pelo director executivo da AUDA - NEPAD, o ex-Primeiro-Ministro do Níger Ibrahim Assane Mayaki, no termo da audiência que lhe foi concedida, na Cidade Alta, pelo Presidente da República, João Lourenço. 

Noutro encontro com o ministro das Relações Exteriores, Téte António, antes de ser recebido pelo Presidente da República, Ibrahim Assane Mayaki disse ter aproveitado a ocasião para colocar à disposição de Angola vários outros serviços da Agência que dirige, para ajudar o país a desenvolver.

"Devo dizer que vamos continuar a trabalhar com o Ministério da Agricultura e dos Transportes, no sentido de explorar as áreas em que podemos apoiar Angola", realçou.
Referindo-se ao problema de escassez de água nalguns países do continente africano, o director executivo da AUDA-NEPAD disse ser fundamental, para se estancar o dilema, a definição de prioridades a projectos hídricos, aumentando o investimento no sector, "porque, quando se investe no sector das Águas, isto se repercute em outros, como da Saúde, Saneamento, Agricultura e outros". 

No país desde quinta-feira, para uma visita oficial de 48 horas, Ibrahim Assane Mayaki defendeu que o problema da água deve ser encarado não como um único sector, mas como um assunto que requer uma abordagem multissectorial. "E é isso que nós temos estado a fazer, apoiando os países para a tomada dessa abordagem multissectorial", destacou.

Ibrahim Assane Mayaki disse que está a trabalhar, nesse momento, com o antigo Presidente da Tanzânia Jakaya Kikwete, numa parceria de investimento no sector das Águas, apoiado pelo Banco Africano de Desenvolvimento e pelo sector privado africano, para promover investimento neste domínio.

A ideia, esclareceu, é permitir que haja mais investimento no sector das Águas, a fim de se resolver o problema de escassez do "precioso líquido”. "E gostaria de acrescentar que temos estado a trabalhar, em coordenação estreita com a engenheira Josefa Sacko, uma das comissárias da União Africana, que está bastante sensibilizada com essas questões hídricas", frisou. 

Ibrahim Assane Mayaki salientou que África é conhecida como o continente que mais terras aráveis tem, mas lamentou o facto de não estarem todas disponíveis, devido aos problemas de erosão.

Para colmatar esse problema, referiu que está em curso um programa específico, denominado "100 milhões de Hectares de Terras por Recuperar", para a restauração das degradadas. O responsável manifestou o desejo de ver Angola dentro deste projecto.

 O director executivo da AUDA-NEPAD ressaltou que 80 por cento dos produtos agrícolas consumidos no continente são provenientes da agricultura de pequena escala e, por isso, defendeu mais apoio para essa classe, de modo a continuarem com a actividade.

 "Sabemos que, em África, se dá pouca importância em termos de orçamentação para a questão da agricultura de pequena escala. E isso tem impedido muito o nosso desenvolvimento”, focou.
 Ibrahim Assane Mayaki, que se faz acompanhar de uma delegação, referiu que, a nível da União Africana, existe um programa "bem traçado", denominado CADEP, para monitorar os países, de modo a levá-los a alcançarem a meta de pelo menos 10 por cento dos recursos do OGE à agricultura.
 Anunciou que através desse programa se consegue avaliar que o país está a dedicar, já, cinco, seis ou mesmo dez por cento à agricultura. "Devemos apoiar os agricultores de pequena escala, porque, ao não ajudarmos, deixaremos de alcançar a industrialização, tal e qual como está a acontecer na Ásia, por exemplo", concluiu.

 A visita de Ibrahim Assane Mayaki a Angola visa, também, prestar informações sobre o processo de eleição do novo director executivo da AUDA-NEPAD durante a 35ª sessão ordinária da Conferência dos Chefes de Estado e de Governo da União Africana, prevista para 5 e 6 de Fevereiro, em Addis Abeba, Etiópia.

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Política