Opinião

As lembranças que ficaram da Turquia

Depois de me inscrever na Bolsa de Estudos para a Turquia, administrada pela Presidência para Turcos no Exterior e Comunidades Afins, mais conhecida como YTB, fiz um estudo mais detalhado sobre a Turquia.

18/10/2021  Última atualização 09H34
"Eu conhecia antes este país, mas agora deveria o ter conhecido melhor, pois é o país onde estarei a estudar dentro em breve”, dizia eu.

A primeira coisa que me chamou a atenção, na pesquisa que fiz pela Internet, foi que a Turquia havia declarado 2005 como o "Ano da África”. Fiquei surpreso que um país que não fizesse parte do continente africano se interessasse tanto por África. À medida que aprofundava a minha pesquisa, descobri que a Turquia mantinha relações com a África desde o período do Império Otomano e que essas relações haviam se transformado em Política Externa multifacetada nos anos 2000. A Turquia abriu embaixadas para quase todos os países de África, negociou com eles, organizou voos e fez visitas. E tudo isso baseado em um propósito mutuamente benéfico e cooperativo, muito diferente do que as ex-potências coloniais haviam feito em anos anteriores.

Depois comecei a pesquisar as relações entre o meu país, Angola, e a Turquia. A Turquia reconheceu a sua independência ocorrida em 1975, a qual Angola atribui grande importância. Embaixadas mútuas foram abertas em Luanda em 2010 e em Ancara em 2013. Eu sabia que esse era um passo importante para o desenvolvimento das relações. Ter uma embaixada em Ancara tornou as coisas muito mais fáceis para nós, estudantes. O facto de a Turquia ser uma marca, principalmente na área do turismo, chamou a atenção do ministro do Turismo de Angola. Ele disse que tomámos a Turquia, através de suas belas cidades como Antalya, como modelo no campo do turismo.

Então, em Julho de 2021, enquanto eu estava na Turquia como estudante universitário, nosso Presidente da República, João Manuel Gonçalves Lourenço, veio a Ancara para se encontrar com o Presidente da República da Turquia, Recep Tayyip Erdoğan. Isso foi pela primeira vez. Ficámos muito felizes por causa disso. Lembro-me bem que o Presidente Erdoğan disse que o volume de comércio com Angola era de 176 milhões de dólares, o que era um valor pequeno para os dois países. Ele acrescentou que queriam expandir este volume.


O Presidente João Lourenço afirmou ainda que atribui grande importância à parceria com a Turquia e agradeceu a hospitalidade demonstrada. Durante essa visita, vi que muitos acordos bilaterais foram assinados em vários campos. Durante a mesma visita, a Primeira-Dama da República da Turquia, Emine Erdoğan, também recebeu a esposa do nosso Presidente, Ana Dias Lourenço. Eu também soube que a senhora estava escrevendo um livro sobre o continente de onde vim, a África. Quis pegar e lê-lo o mais rápido possível. Posteriormente, tive a honra de ter o seu livro, promovido nas Nações Unidas.


Na verdade, as relações entre os dois países, que são ricos em recursos, e estão ansiosos para os desenvolver, deveriam ser muito mais elevadas e maiores do que são agora. Quando soube que o Presidente Erdoğan iria visitar o meu país, Angola, fiquei feliz ao ver que o meu desejo aos poucos estava se tornando realidade. Tenho certeza de que esta visita aproximará os dois países.

Os objectivos que estabelecemos devem ser tão bonitos quanto às lembranças que vivi na Turquia. As amizades que fiz aqui e a hospitalidade que recebi são do tipo que desejo a todos os meus irmãos angolanos. Estou a preparar-me para a vida profissional e social ao estudar na Turquia. Aqui, não só obtive conhecimento sobre o departamento que estudei, mas também aprendi sobre a cultura de vários países do mundo. É muito importante que a oportunidade educacional que a Turquia oferece a Angola, como as oportunidades que oferece a outros países africanos, continue sendo gratuita. De acordo com o que aprendi, desde 2012, 38 estudantes internacionais como eu, do meu país, receberam bolsas para estudar na Turquia. Em 2021, 342 angolanos candidataram-se à bolsa de estudos para Turquia e 8 deles tiveram a oportunidade de serem aceites a estudar na Turquia.


O número de estudantes angolanos que se licenciam ao abrigo da Bolsa de Estudos para Turquia é de três, por agora. Embora esses números sejam poucos para começar, quero que aumentem, de todo o coração, pois muitos angolanos anseiam vir estudar cá. E por outra, encontrar graduados com profissão e empresários turcos em Angola abrirá novas portas para nós. Pois, a medida que o número de empresários turcos em Angola vai aumentando, isto requererá mais estudantes angolanos nas empresas turcas que saibam falar a língua turca e que tenham experiência sobre a cultura turca.

Angola e Turquia são dois países que parecem distantes um do outro, mas não o são. Nossos relacionamentos estão melhores do que ontem, mas não melhores do que o que teremos amanhã. Penso que a prometida visita a Angola do Presidente da Turquia, Sua Excelência Recep Tayyip Erdoğan, será um marco para as gerações futuras. Se cooperarmos em todos os campos, podemos dar uma contribuição para a paz no Oriente Médio e na África.

* Estudante de Mestrado em Finanças na Universidade
de Ancara Hacı Bayram Veli

Augusto Umba Manuel Maria |* 

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Opinião