Cultura

As Gingas estremecem Show do Mês

Analtino Santos

Jornalista

O Rei da Música Angolana Elias dya Kimuezo não quis ficar de parte e, num gesto pleno de simbolismo, como que a passar o testemunho para uma geração mais nova, cantou a sua canção “Ressurreição” com Gersy, Paula e Josina.

26/09/2021  Última atualização 09H56
© Fotografia por: DR
 Foi também notável o regresso ao palco de Daniela Pegado, depois da sua estreia no Show Piô. Desta vez ela apareceu com a nova Classe de Crianças da Professora Rosa Roque, proporcionando recuos nostálgicos de memória no público mais adulto. Canções das Gingas na idade infantil, como "Mangonha” e "Roda de Aço” na voz das crianças de hoje tiveram o condão de estabelecer um fio de continuidade geracional de que tanto a nossa cultura precisa.  Jojó Gouveia abalou os alicerces emocionais da Professora Rosa Roque, como ela própria o confessou a este jornal, ao interpretar  "Minha Terra, Minha Infância”. Houve ainda uma espécie de carnaval fora de época quando "Dizanda” foi executada com a presença de uma ala do campeoníssimo União Mundo da Ilha.

Salú Gonçalves teve a companhia de Tony Sofrimento e Maneco Vieira Dias num painel complementado pela Professora Rosa Roque. Tony Sofrimento, mais uma vez, demonstrou que não é um homem apenas do basquetebol. Maneco Vieira Dias, dentre outros pontos, destacou a relação que As Gingas sempre tiveram com o Ballet Kilandukilo. Para quem não sabia, os dois grupos nasceram no Maculusso. ("Nós, os do Makulusu”, diria certamente a propósito o escritor Luandino Vieira...).

Kappa D reproduziu o que Carlitos Chiemba fez no baixo, assim como a dupla de guitarristas William Kito e Sankara o fizeram com as criações de Betinho Feijó; e Benny pegou nas harmonias de Don Lanterna no teclados. Jack bebeu do próprio Lito Graça, que, em alguns temas, trocou a dikanza pela bateria, assim como Alexandre pôs-se nas vestes de Chalana Dantas na percussão. Todos eles executaram o que o Semba Masters produziu para As Gingas.


O trio de coristas Raquel Lisboa, Neide da Luz e Sultrana não resistiu ao apelo da rítmica e também dançou. A secção de sopros com Lázaro, Magnio, Chinguma, Luís Vasco e Rigoberto, assim como a das cordas com Du Porto,  Augusto e Paulo não tiveram o trabalho facilitado.


Nicinha Rocha, Reginaldo Silva e Ismael Mateus estiveram na linha da frente dos entusiastas.  Nicinha Rocha já actuou no Show do Mês como cantora. Aliás, ela é contemporânea das Gingas do Maculusso e, tal como estas, fez parte do movimento da canção infantil dinamizado pela Rádio Nacional de Angola. Os jornalistas Reginaldo Silva e Ismael Mateus são habitués na plateia do Show do Mês, remontando a sua relação com As Gingas e a Professora Rosa Roque ao tempo em que ambos eram funcionários da RNA, quando quase tudo em matéria de música infantil tinha como ponto de partida os estúdios da Rádio-Mãe.


A ausência de Patrícia Faria, a par de Gersy Pegado a mais mediática das ex-integrantes da Gingas, suscitou comprensíveis interrogações do público, que se adensaram pela falta de uma explicação oficial. O Jornal de Angola durante e após o concerto procurou obter um pronunciamento das partes mas não obteve sucesso. Também não se fizeram presentes Maria João, que há alguns anos se retirou dos palcos por razões religiosas, e Celma Miguel, que participou no reencontro da banda no Live do Kubico da TPA em Agosto do ano passado.


Um pouco de história

As Gingas surgiram como um grupo infantil em 1982. Com muito sucesso, fizeram a transposição para uma formação juvenil, que, de certa forma, revolucionou a música angolana, com enfoque para o Semba. Elas são o exemplo de uma "girl band” bem mwangolê. Têm as seguintes obras discográficas: "Mbanza Luanda”, "Malanje, Natureza e Ritmos”, "Xiyame”, "Muenhu” e "Luachimo”.


Rosa Roque, Prémio Nacional da Cultura e Artes em 2020, dinamizadora e agitadora cultural, literalmente a Mãe das Gingas, é autora de um livro que aborda o percurso da banda. Paralelamente, mas sempre conectada com as meninas, hoje senhoras do Maculusso, Rosa Roque desenvolveu o projecto "Avilupa Kuimbila”, de que resultaram as obras discográficas "Ndolo”, "Estrelas Dispersas”, "Pérola Azul” e "Brincadeira Azul”, todas dedicadas à canção infantil.

Realizou o projecto Restauro Musical, dedicado ao resgate de clássicos e ao encontro de gerações da música angolana. 


Rosa  Roque: "Não esperava e nunca sonhei!”

Professora Rosa Roque, fale-nos das sensações que teve durante o concerto...

Primeiro uma sensação de novidade, porque não tive acesso ao alinhamento ou guião do espectáculo. Essa foi uma responsabilidade que o Yuri [Simão] chamou a si quando conversamos, certamente com o apoio do Lito Graça e das Gingas, que estão carimbadas nestas lides. Foi emoção crescendo do princípio até ao fim e que mal consigo descrever. Apraz-me apenas agradecer, agradecer... agradecer a Deus que me permitiu viver até hoje, às Gingas pela total entrega e, é claro, à Nova Energia pela ousadia. Sou realmente privilegiada por receber o carinho e o respeito de sectores tão relevantes da sociedade angolana. Ver aquele público tão especial a aplaudir-me de pé envolta na bandeira da República raramente acontece em vida. Não esperei, nem sonhei!

Qual foi o momento mais marcante para si?

Todos. Concerto brutalmente bem organizado, tocante e festivo. Profundamente marcante.

Das Gingas à Daniela, muitas estrelas dispersas. Angola pergunta: e agora, o que a professora está a preparar?
Das Gingas à Daniela e, diria, às gémeas do Barro e Irina. Há sim muitas estrelas dispersas. Trabalhei num punhado de projectos envolvendo centenas de crianças, que, por razões que não interessa aqui explanar, foram sendo interrompidos. Com isso muitos potenciais artistas tiveram um desvio antecipado de rota, mas felizmente beberam o sentido do multifacetismo, da alegria, da disciplina  e da busca do sucesso. Foi particularmente prazeroso ver ressurgir o Jojó Gouveia na senda musical, já maduro. Vê-lo no Live das Gingas naquela cançãozinha foi... ah foi impiedoso!

Teremos mais Gingas do Maculusso?
As Gingas são indissociáveis da música Rosa Roque. Gostaria que a sociedade lhes retribuísse por isso, sempre, dentro ou fora dos palcos. Adquiram uma colectânea das Gingas e tê-las-ão para sempre com as suas lindas vozes. Enquanto profissionais no activo, vamos experimentando conforme a importância da circunstância, desde o Live TPA, passando pela ZAP. Registo uma harmonia e entrega crescentes. O impacto da última performance foi enorme, arrebatador. Então vamos ver, ainda temos compromissos assumidos com o público que ama as Gingas for ever.

Depois de tanto tempo aceitou o convite da Nova Energia. Que avaliação faz do Show do Mês?
Não se proporcionou antes, talvez porque não foi falado profundamente ou simplesmente porque o Yuri Simão deve ter-me chateado. E porque cada coisa tem o seu tempo, o tempo foi este e não podia ser melhor, quanto mais não seja por termos muitos de nós sobrevivido a esta terrível pandemia que tanta gente amiga e conhecida levou. Mais uma desavença entre Nova Energia e Rosa Roque seria um verdadeiro desastre cultural, porque como sabe nem sempre há união e colaboração entre artistas ou entre estes e promotores. Portanto seria muito mau. A Nova Energia tem uma força, uma energia, um comprometimento profundo com a música angolana de raiz sobretudo. Deu visibilidade, dignidade e arquivo de qualidade a todos os bons artistas que estavam praticamente no anonimato. Eles merecem o nosso respeito e apoio. Estarei pois eternamente grata a toda a equipa e ao Yuri Simão pelo momento tão feliz que me proporcionaram.

Josina Stela: "Tenho orgulho deste computador humano”
"Para mim foi uma sensação maravilhosa.  É felicidade... ver as pessoas olharem para nós com uma mistura de ansiedade e felicidade não tem preço. As pessoas estão sempre curiosas em querer saber como elas estão depois de tanto tempo de ausência, será que elas são ainda capazes? Porque Gingas sempre foram música e dança. Sei que me diverti. Cantar com as meninas é sempre excelente. Só tenho a agradecer por este momento e tomara que venham outros.
O momento mais marcante foi ter a Professora Guerreira... com tudo o que ela tem passado com a saúde, honrar-nos com a sua presença. Sempre que pude olhar para ela via a emoção dela a ouvir-nos e a ver-nos cantar o que ela nos ensinou. Ela é uma guerreira. Tenho orgulho deste computador humano. Dito isto, foi também uma honra cantar ao lado do nosso Rei da Música Elias dya Kimuezo. Sublinho momentos que só vivendo podemos perceber.
Que público maravilhoso! Foram calorosos! Quem lá esteve foi por amar As Gingas, acredito que em casa foi a mesma emoção. Cantaram, dançaram e choraram  como puderam. Cantámos algumas músicas que poucas vezes entram no reportório e eles deliraram, se não fosse no modo Hospitality nunca se ouviria ao vivo. Obrigado pela presença e carinho. Falando de mim, fizeram-me feliz. Etu mudietu, ngasakidila!”

Paula Daniela: "Fomos muito afortunadas”
"Senti a sensação de valorização do nosso trabalho, num contexto de muitas incertezas devido à pandemia. Foi uma grata surpresa receber  convite da Nova Energia para fazer este show. Fomos muito afortunadas por termos tido a presença de público no show, fruto das recentes alterações ao Decreto Presidencial sobre as medidas do Estado de Calamidade. O momento marcante, sem sombras de dúvidas, foi a homenagem que se fez à Professora Rosa durante a música "Xiamy”. Ainda continuamos a receber muitas manifestações de carinho, de encorajamento e sobretudo de gratidão por termos feito Angola sorrir em momentos muito difíceis.”

Gersy Pegado: "É maravilhoso esse reconhecimento público”
"Foi um olhar para a rica obra da Professora Rosa Roque, que continuamos a celebrar há mais de 20 anos. É maravilhoso poder olhar um trabalho feito com amor e afinco ter esse reconhecimento público. O show proporcionou grandes momentos que, mesmo tendo trabalhado para aquela apresentação, causou em nós emoções muto fortes. Um deles foi revestir a bandeira nacional à Professora Rosa Roque. O retorno foi muito gratificante. Valeu a pena acreditar e trabalhar nesta obra que continua a alimentar o público que há muito nos celebra.”

Comentários

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comente

Faça login para introduzir o seu comentário.

Login

Cultura